A Igreja é a coluna (mestra) e sustentáculo (preservadora) da verdade – 1º Tim 3,15

~~~~~~~~

É importante falar de Deus, das coisas de Deus, sem tirar os pés do mundo, pois estamos nele, embora que não sejamos dele. O Viver em Deus, fala de Deus, dos fatos da Igreja, do meio cristão católico. O Viver em Deus não é fechado em si mesmo, portanto faz também a apresentação de obras de outros sites católicos, o que, aqui, mais se evidencia, no intuito da divulgação e conhecimento dos mesmos. UM BLOG A SERVIÇO DA IGREJA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. Sejam todos bem - vindos!

~~~~~~~~

Quando neste blog é falado, apresentado algo em defesa da Igreja, contra o protestantismo, é feito com um fundo de tristeza ao ver que existem "cristãos" que se levantam contra a única Igreja edificada pelo Senhor Jesus no mundo. Bom seria se isto não existisse, a grande divisão cristã. Mas os filhos da Igreja têm que defendê-la.

Saibam, irmãos(ãs), que o protestantismo, tendo que se sustentar, se manter, se justificar, terá que ser sempre contra a Igreja católica (do contrário não teria mais razão de sê-lo) ainda que seja pela farsa, forjar documentos, aumentar e destorcer fatos (os que são os mais difíceis para se comprovar o contrário pelos cientistas católicos, pois trata-se de algo real, mas modificado, alterado para proveito próprio.) E tentarão sempre atingir a Igreja na sua base: mentiras contra o primado de São Pedro, contra o Papa e sua autoridade, contra o Vaticano, contra a sua legitimidade, e outros tantos absurdos. São, graças a Deus, muitos sites católicos que derrubam (refutam) estas mentiras, provando o seu contrário, bastando portanto se fazer uma pesquisa séria, por exemplo, com o tema: cai a farsa protestante, refutando o protestantismo, etc. O Espírito Santo jamais abandona sua Igreja. Que saibamos, por este Espírito, amar aos protestantes que não participam destas ações malignas, e aos que se incumbem destas ações, os inimigos da Igreja, que saibamos, ainda que não consigamos amá-los o bastante, ao menos respeitá-los em sua situação crítica perante Jesus e desejar a eles a conversão e a Salvação de Nosso Senhor Jesus. "Se soubéssemos verdadeiramente o que é o inferno, não o desejaríamos ao pior inimigo".

~~~~~~~~

Notas Importantes

*O marcador “IDOLATRIA”, na seção TEMAS, abaixo, à esquerda, assim está exposto com a função de desmentir as acusações de idólatras aos católicos, outras vezes também denunciando que estes próprios acusadores cometem a idolatria ao dinheiro, entre outras.

*Os anúncios que aparecem neste blog podem porventura não serem compatíveis com a doutrina católica, por escaparem da filtragem do sistema. Aconselha-se a quem se incomodar com estes anúncios, atualizar a página do blog até que eles sejam modificados.

*Ao usar o telemóvel escolha a opção “visualizar versão para a web”, localizada abaixo da opção “página inicial” , para que sejam utilizados todos os recursos apresentados na página como vista no computador.

~~~~~~~~

Para uma melhor visualização, abra o zoom de sua tela em 90%, ou de acordo com o seu encaixe

Tradutor

terça-feira, 28 de março de 2017

Martín Valverde e família, após acidente de automóvel, estão bem




Notícias Canção Nova

Cantor católico e família sofreram acidente de carro nesta segunda-feira; estado de saúde é estável

Kelen Galvan
Da redação, com colaboração de Thaís Azevedo

Martín Valverde é autor de músicas muito conhecidas no meio católico, como “Ninguém te Ama como Eu” / Foto: Twitter Oficial

O músico católico Martín Valverde sofreu um acidente de carro nesta segunda-feira, 27, com sua esposa Lizzy e seu filho Jorge Pablo, informou a agência ACI Prensa.

O carro que Valverde dirigia chocou-se com outro veículo, ao meio-dia de ontem, na cidade de Guadalajara (México). Horas antes do acidente, o cantor participou de um concerto na cidade de Jocotepec.

Em um vídeo divulgado em seu facebook oficial, o amigo pessoal de Valverde, o músico Kiki Troia, contou que teve a oportunidade de ir ao hospital em que a família está internada e afirma que as previsões médicas são positivas.

Segundo ele, a equipe médica fez tomografias e estava descartando danos mais sérios.

Kiki conta que não pôde vê-los pessoalmente, mas o estado da família é estável, o quadro mais delicado é de Martín, que ainda está com muitas dores no pescoço. O filho e a esposa estão melhores, porém, Jorge Pablo, uma criança especial, ficou mais ferida. Lizzy teve lesões apenas na perna. 

Ao final do vídeo, Kiki pede orações para que eles possam se recuperar bem e agradece todas as manifestações de carinho.

Sobre o músico

Martín Valverde é um músico muito famoso no meio católico com músicas como: Ninguém te ama como eu, Te louvo em verdade, Trono de Graça, Glória, entre outras. Ele já teve a oportunidade de cantar em eventos no Vaticano, no dia 21 de março de 2000 e, recentemente, no dia 3 de fevereiro de 2015, em um Concerto Ecumênico na Sala Paulo VI. Nessa ocasião, foi cumprimentado pelo Papa Francisco.

Aqui no Brasil fez muitos shows na Canção Nova e por todo o país com o grupo Enredados, também cantou na Missa de envio da Jornada Mundial da Juventude (JMJ 2013) no Rio de Janeiro, na presença do Papa Francisco.

Título Original: Após acidente, Martín Valverde e família estão fora de perigo


Site: Notícias Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon

sábado, 25 de março de 2017

A conversão de um dos maiores inimigos da Igreja: Voltaire. Como ela se deu?



Carlos Valverde

O catedrático de filosofia Carlos Valverde escreve um surpreendente artigo em que documenta historicamente a conversão de um dos mais célebres inimigos da Igreja Católica.

UM 30 DE MAIO DO ANO 1778: A investigação de documentos antigos sempre mostra surpresas. A última me veio ao folhear o tomo XII de uma velha revista francesa, Correspondance Littérairer, Philosophique et Critique (1753-1793), monumento riquíssimo para conhecer o século do Iluminismo e o começo da Grande Revolução.

Todos sabemos quem foi Voltaire: o pior inimigo que teve o cristianismo naquele século XVIII, em que emitia críticas cruéis. Com os anos crescia seu ódio ao cristianismo e a Igreja. Era nele uma obsessão. Cada noite cria haver afastado a infâmia e cada manhã sentia a necessidade de voltar a declarar: o Evangelho só havia trazido desgraças sobre a Terra.

Manejou como ninguém a ironia e o sarcasmo em seus inúmeros escritos, chegando até o inominável e o degradante. Lhe chamaram de o anticristo. Foi o mestre de gerações inteiras incapazes de compreender os valores superiores do cristianismo, cujo desaparecimento prejudica e empobrece a humanidade.

Pois bem, no número de abril de 1778 da revista francesa acima citada (páginas 87-88) se encontra nada menos que a cópia da profissão de fé de M. Voltaire. Literalmente diz assim:

«Eu, o que escreve, declaro que havendo sofrido um vômito de sangue faz quatro dias, na idade de oitenta e quatro anos e não havendo podido ir a igreja, o pároco de São Suplício quis de bom grado me enviar a M. Gautier, sacerdote. Eu me confessei com ele, se Deus me perdoava, morro na santa religião católica em que nasci esperando a misericórdia divina que se dignará a perdoar todas minhas faltas, e que se tenho escandalizado a Igreja, peço perdão a Deus e a ela.

Assinado: Voltaire, 2 de março de 1778 na casa do marqués de Villete, na presença do senhor abade Mignot, meu sobrinho e do senhor marqués de Villevielle. Meu amigo».

Assinam também: o abade

Mignot, Villevielle. Acrescenta:

«Declaramos a presente cópia conforme a original, que foi entregue às mãos do senhor abade Gauthier e que ambos confirmamos e que ambos temos firmado, como firmamos o presente certificado. Paris, 27 de maio de 1778. Abate Mignot, Villevielle».

Que a relação pode estimar-se como autêntica o demonstram outros documentos que se encontram no número de junho da mesma revista – nada clerical, por certo-, pois estava editada por Grimm, Diderot e outros enciclopedistas.

Voltaire morreu em 30 de maio de 1778. A revista lhe exalta como “o maior, o mais ilustre e talvez o único monumento desta época gloriosa em que todos os talentos, todas as artes do espírito humano pareciam haver se elevado ao mais alto grau de sua perfeição”.

A família quis que seus restos repousassem na abadia de Scellieres. A 2 de junho, o bispo de Troyes, em uma breve nota, proíbe severamente ao prior da abadia que enterre no sagrado o corpo de Voltaire. A 3 o prior responde ao bispo que seu aviso chega tarde, porque – efetivamente – já tinha sido enterrado na abadia.

A carta do prior é longa e muito interessante pelos dados que contêm. Eis o que mais nos interessa agora: a família pede que ele seja enterrado na cripta da abadia até que possa ser trasladado ao castelo de Ferney. O abade Mignot apresenta ao prior o consentimento firmado pelo pároco de São Suplício e uma cópia – assinada também pelo pároco – “da profissão de fé católica, apostólica e romana que M. Voltaire tem feito nas mãos de seu sacerdote, aprovado na presença de duas testemunhas, das quais uma é M. Mignot, nosso abade, sobrinho do penitente e outro, o senhor marquês de Villevielle (…) Segundo estes documentos, que me pareceram e ainda me parecem autênticos – continua o prior – penso que faltaria com meu dever de pastor se lhe houvesse recusado os recursos espirituais. (…) Nem me passou pelo pensamento que o pároco de São Suplício houvesse podido negar a sepultura a um homem cuja profissão de fé havia legalizado (…). Creio que não se pode recusar a sepultura a qualquer homem que morra no seio da Igreja (…) Depois do meio-dia, o abade Mignot tem feito na igreja a apresentação solene do corpo de seu tio. Cantamos as vésperas dos defuntos; o corpo permaneceu a noite toda rodeado de círios. Pela manhã, todos os eclesiásticos dos arredores (…) tem dito uma missa na presença do corpo e eu celebrei uma missa solene às onze, antes da inumação (…) A família de M. Voltaire partiu esta manhã contente das honras rendidas a sua memória e das orações que temos elevado a Deus pelo descanso de sua alma. Eis aqui os fatos, monsenhor, na mais exata verdade”.

Assim me parece que passou deste mundo ao outro aquele homem que empregou seu temível e fecundo gênio em combater ferozmente a Igreja.

A Revolução trouxe em triunfo os restos de Voltaire ao panteão de Paris – antiga igreja de Santa Genoveva – , dedicada aos grandes homens. Na escura cripta, frente a de seu inimigo Rosseau, permanece até hoje a tumba de Voltaire com este epitáfio:

«Aos louros de Voltaire. A Assembleia Nacional decretou em 30 de maio de 1791 que havia merecido as honras dadas aos grandes homens”.

Autor: Carlos Valverde
Fonte: Site “Logos HP”
Tradução: Emerson de Oliveira


Sobre Prof. Felipe AquinoO Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.

Título Original: A Conversão de Voltaire


Site: Cléofas
Editado por Henrique Guilhon

segunda-feira, 20 de março de 2017

Momento penitencial “24 horas para o Senhor” realizado na cede da CNBB



CNBB

Iniciativa será promovida no Vaticano na próxima sexta-feira, dia 24

“A Quaresma é um novo começo, uma estrada que leva a um destino seguro: a Páscoa da Ressurreição, a vitória de Cristo sobre a morte”. Com esta motivação extraída de uma homilia do papa Francisco a comunidade da sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília (DF), vivenciou, nesta sexta-feira, dia 17 de março, o momento especial de Penitência “24 horas para o Senhor”. 

A iniciativa é promovida pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, no Tempo da Quaresma. Em todo o mundo, as paróquias são convidadas a participarem das celebrações, que consistem em adoração ao Santíssimo Sacramento e atendimento de confissões. Na Santa Sé, o momento realiza-se nos dias 24 e 25 deste mês. O tema deste ano é “Eu quero misericórdia”, extraído do Evangelho de Mateus (Mt 9,13).

Assim como o papa, que presidiu a liturgia penitencial na Basílica de São Pedro, nesta sexta-feira, a comunidade da CNBB antecipou em uma semana a data em que todas as comunidades paroquiais colocarão o Sacramento da Reconciliação no centro do caminho da nova evangelização em toda a Igreja. 

A atividade em Brasília teve início com a celebração eucarística, presidida pelo bispo auxiliar de Brasília e secretário geral da CNBB, dom Leonardo Steiner. Como de costume, alguns temas foram refletidos com os colaboradores da matriz: o tempo de conversão quaresmal; a Campanha da Fraternidade 2017, cujo tema é “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”; e o Dia Internacional da Mulher. Após a missa, teve início a exposição do Santíssimo e o atendimento de confissões pelos padres Deusmar Jesus da Silva, Rafael Vieira Silva e Paulo Renato de Campos. Em grupos, os colaboradores revezaram-se nos momentos de adoração na capela. 



Título Original: Comunidade na sede da CNBB realiza momento penitencial “24 horas para o Senhor”


Site: CNBB
Editado por Henrique Guilhon

quinta-feira, 16 de março de 2017

A nova Arca da Aliança está em Jesus na Eucaristia

Web

Mons. Jonas Abib

Na Eucaristia Jesus está vivo

Na Arca da Aliança estavam as tábuas da lei, a coisa mais preciosa para o povo de Deus. Por isso, o Senhor se fazia presente. Onde eles chegavam com a Arca, os inimigos tremiam, porque sabiam que Deus estava com o Seu povo e guerreava em favor deles.

Hoje, nossa Arca da Aliança é muito mais preciosa, porque contém não apenas as tábuas da lei, mas o próprio Deus, escondido atrás das aparências do pão e do vinho. A verdadeira Arca da Aliança, hoje, para nós, é a Eucaristia. É Jesus vivo na hóstia consagrada.

A nossa batalha é espiritual e os nossos inimigos tremem diante de nós, porque estamos revestidos do poder de Deus. Se formos homens e mulheres eucarísticos, derrubaremos todas as muralhas de nossa vida, assim como foram derrubadas as muralhas de Jericó.

A nossa fidelidade à Santa Missa nos torna guerreiros que servem ao general Jesus, e se seguirmos os seus passos, nenhum inimigo nos derrotará. O sacrifício de Jesus não é uma repetição: é o mesmo sacrifício que se renova e se atualiza para nós em cada Missa celebrada.

Em cada Celebração Eucarística, mais uma vez, Jesus está derramando seu sangue por nós. Neste momento, toda muralha cai por terra e o poder do inimigo é desfeito. As soluções chegam e a vitória de Deus se dá em qualquer situação. A minha palavra para os que me procuram é:

“Volte-se para a Eucaristia. Participe da Missa. Comungue diariamente e Adore o Senhor no Santíssimo Sacramento”.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

Título Original: Jesus Eucarístico, a nova Arca da Aliança


Foto: Web

Site: Padre Jonas Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon