A Igreja é a coluna (mestra) e sustentáculo (preservadora) da verdade – 1º Tim 3,15

~~~~~~~~

É importante falar de Deus, das coisas de Deus, sem tirar os pés do mundo, pois estamos nele, embora que não sejamos dele. O Viver em Deus, fala de Deus, dos fatos da Igreja, do meio cristão católico. O Viver em Deus não é fechado em si mesmo, portanto faz também a apresentação de obras de outros sites católicos, o que, aqui, mais se evidencia, no intuito da divulgação e conhecimento dos mesmos. UM BLOG A SERVIÇO DA IGREJA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. Sejam todos bem - vindos!

~~~~~~~~

Quando neste blog é falado, apresentado algo em defesa da Igreja, contra o protestantismo, é feito com um fundo de tristeza ao ver que existem "cristãos" que se levantam contra a única Igreja edificada pelo Senhor Jesus no mundo. Bom seria se isto não existisse, a grande divisão cristã. Mas os filhos da Igreja têm que defendê-la.

Saibam, irmãos(ãs), que o protestantismo, tendo que se sustentar, se manter, se justificar, terá que ser sempre contra a Igreja católica (do contrário não teria mais razão de sê-lo) ainda que seja pela farsa, forjar documentos, aumentar e destorcer fatos (os que são os mais difíceis para se comprovar o contrário pelos cientistas católicos, pois trata-se de algo real, mas modificado, alterado para proveito próprio.) E tentarão sempre atingir a Igreja na sua base: mentiras contra o primado de São Pedro, contra o Papa e sua autoridade, contra o Vaticano, contra a sua legitimidade, e outros tantos absurdos. São, graças a Deus, muitos sites católicos que derrubam (refutam) estas mentiras, provando o seu contrário, bastando portanto se fazer uma pesquisa séria, por exemplo, com o tema: cai a farsa protestante, refutando o protestantismo, etc. O Espírito Santo jamais abandona sua Igreja. Que saibamos, por este Espírito, amar aos protestantes que não participam destas ações malignas, e aos que se incumbem destas ações, os inimigos da Igreja, que saibamos, ainda que não consigamos amá-los o bastante, ao menos respeitá-los em sua situação crítica perante Jesus e desejar a eles a conversão e a Salvação de Nosso Senhor Jesus. "Se soubéssemos verdadeiramente o que é o inferno, não o desejaríamos ao pior inimigo".

~~~~~~~~

Notas Importantes

*O marcador “IDOLATRIA”, na seção TEMAS, abaixo, à esquerda, assim está exposto com a função de desmentir as acusações de idólatras aos católicos, outras vezes também denunciando que estes próprios acusadores cometem a idolatria ao dinheiro, entre outras.

*Os anúncios que aparecem neste blog podem porventura não serem compatíveis com a doutrina católica, por escaparem da filtragem do sistema. Aconselha-se a quem se incomodar com estes anúncios, atualizar a página do blog até que eles sejam modificados.

*Ao usar o telemóvel escolha a opção “visualizar versão para a web”, localizada abaixo da opção “página inicial” , para que sejam utilizados todos os recursos apresentados na página como vista no computador.

~~~~~~~~

Para uma melhor visualização, abra o zoom de sua tela em 90%, ou de acordo com o seu encaixe

Tradutor

domingo, 9 de fevereiro de 2020

Em 2020, a CF convida, a olhar de modo mais atento e detalhado para a vida


CNBB

No site da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), vamos publicar uma série de matérias que vaiapresentar por quais caminhos os agentes pastorais das comunidades, paróquias, pastorais e organismos da Igreja devem trilhar para se preparar bem para a realização da Campanha da Fraternidade de 2020.

A Campanha da Fraternidade é o modo com o qual a Igreja no Brasil vivencia a Quaresma. Há mais de cinco décadas, ela anuncia a importância de não se separar conversão e serviço à sociedade e ao planeta. A cada ano, um tema é destacado. Desta forma, a Campanha da Fraternidade já refletiu sobre realidades muito próximas dos brasileiros: família, políticas públicas, saúde, trabalho, educação, moradia e violência, entre outros enfoques.

Em 2020, a CF convida, a olhar de modo mais atento e detalhado para a vida. Com o tema “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso” e lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34), busca conscientizar, à luz da palavra de Deus, para o sentido da vida como dom e compromisso, que se traduz em relações de mútuo cuidado entre as pessoas, na família, na comunidade, na sociedade e no planeta, casa comum.
Como aprofundar o tema deste ano?

Texto-base, vídeo-aulas, matérias jornalística e o vídeo oficial integram um conjunto de subsídios para conhecer e aprofundar o tema central da campanha e se inspirar na atitude do “Bom Samaritano” na hora de planejar ações nas comunidades. Veja abaixo onde encontrar estes subsídios.

Conhecer e ler o texto-base


A Campanha da Fraternidade oferece sempre uma publicação conhecida como “Texto-base” com o aprofundamento do tema de cada ano organizado no método “ver, julgar e agir”. O subsídio é publicado pela CNBB, a Edições CNBB. Este ano, o texto-base convida a um olhar que se eleva para Deus, no mais profundo espírito quaresmal, e volta-se também para os irmãos e irmãs, identificando a criação como presente amoroso do Pai.

Ver, sentir, compaixão e cuidar são os verbos de ação que irão conduzir este tempo quaresmal. Para isso, o texto-base que é dividido em três partes, convida que cada pessoa, cada grupo pastoral, movimento, associação, Igreja Particular e o Brasil inteiro, motivados pela Campanha da Fraternidade, possam ver fortalecida a revolução do cuidado, do zelo, da preocupação mútua e, portanto, da fraternidade.

O subsídio, disponível para compra no site da editora, além de oferecer um panorama completo, com todo o referencial para que se possa viver, difundir e praticar os preceitos dessa edição da CF, traz a letra do hino oficial, a oração e o conceito da arte do cartaz. Também apresenta dados e orientações sobre o Fundo Nacional de Solidariedade e o resultado integral das coletas realizadas nas celebrações do Domingo de Ramos, coleta da solidariedade.


Assistir ao vídeo oficial da Campanha da Fraternidade 2020

A produção apresenta experiências de cuidado com a vida em suas várias dimensões encontradas Brasil afora e poderá ser utilizado para auxiliar as reflexões sobre a temática. O vídeo oferece um panorama completo, com todo o referencial necessário “para viver, difundir e praticar os preceitos desta edição da CF”.

O secretário executivo de Campanhas da CNBB, padre Patriky Samuel Batista, ressalta as diversas ações de cuidado em favor da vida promovidas pela Igreja em várias partes do Brasil e também “as diversas situações onde a vida tem sido descuidada e necessita de uma intervenção evangélica fruto de um coração convertido pela Palavra de Deus”. O vídeo intercala experiências de cuidado com a vida com frases de Santa Dulce dos Pobres, segundo padre Patriky, “a grande inspiradora, boa samaritana para os dias atuais”, exemplo de que “Vida doada é vida santificada”.

O vídeo pode ser encontrado no canal da CNBB no youtube: https://www.youtube.com


Vídeo aulas da CF 2020

Nesta série de três vídeos, é possível se informar sobre o tema central da CF 2020. O secretário executivo de Campanhas da CNBB, padre Patriky Samuel Batista, aprofunda as três partes do texto-base e da iluminação bíblica que inspirou esta campanha nos três vídeos que integram a série. As vídeo-aulas podem ser encontradas neste canal.

A série de vídeo aulas sobre o tema central pode ser vista no canal da Edições CNBB no youtube.

Matéria da Revista Bote Fé

Uma matéria jornalística especial, publicada na edição nº 30 da Revista Bote Fé, que circula de janeiro a março de 2020, aprofunda o caminho que a CF propõe: “agir como o Bom Samaritano”. A matéria fala da Quaresma como tempo litúrgico no qual a Igreja faz um convite mais intenso à conversão pessoal, renovação na família e ações em comunidade. A matéria apresenta ainda um pouco da trajetória de Santa Dulce dos Pobres e experiências no Brasil, como a experiência da Associação Guadalupe, em São José dos Campos (SP), que atua com gestantes em situação de vulnerabilidade social e com atendimento e aconselhamento de mulheres que apresentam algum risco de interromper a gravidez. A matéria apresenta ainda ações práticas a partir do texto base da CF 2020: primeirear, envolver, acompanhar, frutificar e festejar.

O link da matéria pode ser acessado aqui: https://recursos.edicoescnbb.com.br

Título Original: CF 2020 – Como conhecer o tema central: “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso”?


Site: CNBB
Editado por Henrique Guilhon

quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Pesquisa revela: Norte-americanos pró-escolha são a favor de deter ou restringir aborto


Imagem referencial. Crédito: Pixabay.


Acidigital

Uma pesquisa revelou que os norte-americanos são a favor de restaurar as restrições ao aborto nos estados, favorecer sua proibição depois das 20 semanas de gravidez e votar em políticos que restringirão esta prática.

Esses resultados foram lançados por Marist Poll, a pesquisa nacional de opinião pública realizada por Marist Institute for Public Opinion do Marist College, de Nova York. Durante o estudo, grande parte dos entrevistados se identificou como “pro-choice” (pró-escolha), ou seja, que não se opõem à prática do aborto.

Os resultado datam de janeiro de 2020 e os estudos foram patrocinados por Cavaleiros de Colombo, a maior instituição de caridade leiga do mundo.

Enquanto a pesquisa avalia a opinião dos norte-americanos, os observadores especulam que a Suprema Corte dos EUA poderia revisar a decisão Roe vs. Wade de 1973 e outros precedentes que exigem o aborto legal e todo o país.

“A maioria dos norte-americanos quer que a Corte reinterprete a Roe, seja detendo o aborto legalizado ou devolvendo o tema aos estados”, disse o Cavaleiro Suprema dos Cavaleiros de Colombo, Carl Anderson, em 22 de janeiro.

De acordo com a pesquisa, 55% dos norte-americanos respaldam a proibição do aborto depois das 20 semanas de gestação. Além disso, 45% dos entrevistados pro-choice respaldaram tal proibição, assim como 69% dos entrevistados que se identificaram como pró-vida.

Das pessoas que responderam e se identificaram como pro-choice, 41% disseram que estão mais predispostas a votar em candidatos que respaldam as restrições ao aborto. Mais de 90% dos que se identificaram como pró-vida disse o mesmo.

Anderson considerou que o respaldo às restrições ao aborto entre os norte-americanos pro-choice “mostra o quanto é enganoso combinar o termo pro-choice com o respaldo de posições pró-aborto radicais que pedem o aborto sem restrições”.

Aproximadamente 65% dos entrevistados disseram que estariam mais inclinados a votar em candidatos que limitam o aborto no máximo aos primeiros três meses de gravidez. Desses 65%, 88% são republicados, 62% não são filiados e 44% são democratas.

A pesquisa também indicou que 55% dos norte-americanos se identificam como pro-choice, enquanto 40% se identifica como pró-vida.

Além disso, assinala que os norte-americanos poderia concordar com as mudanças no status quo do aborto se a Suprema Corte voltar a revisar Roe vs. Wade. Dos entrevistados, 46% disseram que a Suprema Corte deve permitir que os estados determinem as restrições ao aborto, 16% gostariam que a Corte declarasse ilegal o aborto e apenas 33% disseram que a Corte deveria permitir o aborto legal sem restrições em qualquer momento da gestação.

Quanto à dedicação dos eleitores às suas opiniões sobre o aborto e a proteção legal para os nascituros, “a intensidade é mais forte nos pró-vida”: 45% dos entrevistados que se identificam como pró-vida disseram que a questão do aborto é um fator principal na escolha do presidente, em comparação com 35% dos entrevistados que se identificam como pro-choice, segundo o estudo.

Quanto perguntados se as leis podem proteger tanto a mãe como o nascituro, 80% dos entrevistados disse que sim.

Uma esmagadora maioria dos entrevistados, 75% contra 21%, se opôs ao financiamento do aborto no exterior por parte dos contribuintes. Quase 60% se opõem ao financiamento do aborto pelos contribuintes nos Estados Unidos e outros 52% apoiam a necessidade de ultrassom para as mulheres antes de praticarem o aborto.

A pesquisa Marist Poll consultou 1.237 adultos entre 7 e 12 de janeiro. Essa afirma uma significação estatística de mais ou menos 3,7 pontos percentuais e, entre os 1.070 eleitores registrados que responderam, a significância estatística é mais ou menos 4 pontos percentuais.

A decisão do caso judicial de Roe contra Wade, ou Roe vs. Wade, legalizou o aborto nos Estados Unidos desde 1973 e permitiu o extermínio legal de mais de 60 milhões de bebês no ventre materno.

No caso, Norma McCorvey (sob o pseudônimo de Jane Roe) alegou ter sido estuprada por uma gangue e engravidado. Seus advogados, recém-formados na Faculdade de Direito do Texas, convenceram-na de que deveria fazer um aborto em vez de dar o bebê em adoção. Enquanto o caso foi avaliado, o bebê nasceu e foi dado em adoção.

Em 1987, McCorvey admitiu que mentiu e que o pai de seu bebê era alguém que ela conhecia e amava. Vinte anos depois, Norma se converteu ao catolicismo e dedicou sua vida a promover a defesa dos nascituros até sua morte em 2017.

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, assinalou no ano passado que a decisão do caso Roe vs. Wade “deu as costas ao direito à vida”, mas também gerou “um movimento nascido do amor e da compaixão, incentivado pela fé e pela verdade, um movimento que conquistou corações e mentes a cada dia”, referindo-se à Marcha pela vida.

Publicado originalmente por CNA. Traduzido e adaptado por Natalia Zimbrão.


Site: Acidigital
Editado por Henrique Guilhon

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Nós católicos e a leitura bíblica


Written by Jaime Francisco



Veritatis Splendor

Muitos Protestantes atribuem à si próprios o direito de “interpretar” a Bíblia. Acreditam ter uma iluminação “Direta” do Espírito Santo, sem intermediários, ou seja, sem a Igreja. Dizem que a Igreja Católica não aconselha o uso da Bíblia a todos os fiéis. Isto não é verdade. Como a Igreja é a coluna e o fundamento da Verdade (1 Tm 3,15) o Cristão deve primeiro aprender da Igreja. A Bíblia é um livro profundo, que deve ser ensinado pela Igreja, que é o berço da Bíblia. Pois quem lê a Bíblia sem o auxílio da Igreja, acaba entendendo tudo errado, e saber errado é pior do que não saber.

O Católico não lê a Bíblia da mesma maneira que o Protestante, ou seja: Com uma interpretação subjetiva, secundária e pessoal. O Católico lê a Bíblia sim, no caminho que a Igreja sempre indicou: com uma orientação séria e segura do Magistério da Igreja, com ajuda da Exegese e da Teologia Bíblica que a Igreja oferece. Mas porque isso? Porque do contrário, com a interpretação pessoal, pode-se chegar à criação de outras tantas interpretações, dando-nos a impressão do surgimento de uma nova torre de Babel (Gêneses 11,1-9).

O livre exame da Bíblia é um perigo muito grande. Aliás, isso fica evidente pela constatação do número de igrejas Protestantes que surgiram e surgem a cada dia. Todos devemos ler a Bíblia, sim, mas não podemos pretender entendê-la, sozinhos.

A Igreja recomenda que a Bíblia seja lida com cuidado e só em versões inteiramente fidedignas, para não se resvalar nesses erros Protestantes. O próprio Pedro alerta os primeiros fiéis a respeito da dificuldade de compreender a Bíblia. “Nelas há algumas passagens difíceis de entender, cujo sentido os espíritos ignorantes ou pouco fortalecidos deturpam, para a sua própria ruína, como o fazem também com as demais Escrituras” (2 Pedro 3,15-16 ).

Lucas, no Ato dos Apóstolos, narra que Felipe foi alertado por um Anjo para ir à estrada que desce de Jerusalém a Gaza. Nela viu um Ministro da Rainha Candace, da Etiópia, lendo Isaías. Felipe perguntou-lhe: Porventura entendes o que está lendo? O Eunuco respondeu que não entendia, rogando que explicasse o sentido do que lia. (Atos 8,26-31).

Concluindo:

Com o surgimento do Protestantismo em 1517, nenhum livro dividiu tanto os homens e os corações quanto a Bíblia. Porém, não basta ler, pois a maioria dos que lêem sem acompanhamento, acabam se tornando fundamentalistas. É preciso uma orientação fiel e segura, assim como a Igreja Católica fazia antes da Reforma, e faz nos dias atuais.

Por Jaime Francisco de Moura

Título Original: Protestantes dizem que Católicos não lêem a Bíblia


Site: Veritatis Splendor
Editado por Henrique Guilhon

sábado, 25 de janeiro de 2020

A cruz era um símbolo de vergonha antes de Jesus Cristo, mas depois dEle tornou-se símbolo de vitória




Front Católico

Tarde dessas, passando diante da centenária igreja de São João Batista, no histórico bairro do Brás, em São Paulo (SP), terminava de traçar o Sinal da Cruz sobre minha fronte e peito quando ouvi um murmurar vindo de trás de mim: “O que é que você está fazendo, moço?” – Olhei e vi uma senhora dos seus cinquenta e poucos anos, ostentando um grande coque grisalho no alto da cabeça e óculos de aros plásticos. Ela falava num tom quase de súplica, como se eu estivesse cometendo um crime horrível.

"Estou fazendo o Sinal da Cruz", respondi, enquanto ela balançava a cabeça negativamente. “Não faça isso, meu filho...”. Perplexo, quis saber o porquê, e ela se saiu com esta: “Cada vez que você faz esse sinal, é como se estivesse crucificando Jesus novamente, é uma ofensa...”.

Até que ponto chega a criatividade das pessoas que odeiam a Igreja, pensei com meus botões (pensando não naquela pobre senhora, mas sim em quem incutiu tal bobagem em sua mente). Tomando cuidado para não parecer agressivo ou irônico, argumentei: "eu faço o sinal da cruz em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Como pode ser ruim algo que eu faço invocando a Deus conforme ensina a Bíblia?". Fiz questão de mencionar a Bíblia (conf. Mt 28,19), porque já tinha percebido, logo de cara, que se tratava de uma “evangélica”, e sei bem que eles acreditam que só podem aceitar aquilo que está escrito, literalmente, no Livro Sagrado.

Ela pareceu surpresa com a minha resposta. “Esta é a primeira vez que um católico me responde com uma citação da Bíblia! Só que está errado, viu? Jesus sofreu muito na cruz, a cruz é um símbolo de maldição, de sofrimento, de vergonha...”. E ela fez menção de ir embora, mas eu insisti: "com todo o respeito, quem foi que falou isso para a senhora?"; e ela me olhou, desconcertada: “Quem falou foi um homem de Deus, meu filho”...

"A senhora acredita que a Bíblia é a Palavra de Deus?", perguntei, e ela mais que depressa respondeu, com muita ênfase:

“Mas é claro!"; e então eu prossegui: "nesse caso, acho que o homem que ensinou isso para a senhora está bem equivocado. O Apóstolo Paulo diz na Bíblia: 'Longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo' (Gl 6,14). Quer dizer, a Cruz é glória para o cristão. Na verdade, a cruz é o símbolo que nos identifica como cristãos, é como se fosse a nossa 'carteira de identidade'. Era um símbolo de vergonha antes de Jesus Cristo, mas depois dEle tornou-se símbolo de vitória, de salvação, de santidade. Quem pensa que a cruz é um símbolo de vergonha está vivendo ainda antes de Cristo! É como se essa pessoa nunca tivesse ouvido falar em Jesus! – Digo mais: em Efésios está escrito: 'Pela cruz, Jesus Cristo reconciliou os povos com Deus, em um Corpo, eliminando com a cruz as inimizades.' (Ef 2,16)".

Ao dizê-lo, fiz uma pausa e fitei aquela senhora bem nos olhos, com firmeza e seriedade. Ela esfregou as mãos no saiote comprido, baixou o olhar e retrucou, agora baixinho: “Mas o Senhor Jesus sofreu tanto na cruz”. – "E como sofreu!", Respondi, com firmeza. "Por isso mesmo é que devemos honrar e amar a Cruz, porque foi por meio dela que Nosso Senhor se entregou em Sacrifício pela nossa salvação. Como diz a Bíblia, a Cruz é o nosso maior orgulho enquanto cristãos! Nela, e somente nela, podemos e devemos nos gloriar!". 

Ela agora estava em silêncio, e me olhava com muita atenção, admirada, confusa. Finalizando a conversa, perguntei: "afinal, a senhora não sabia que o próprio Jesus disse: 'Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de Mim'? Está no Evangelho segundo Mateus (10,38)! E Ele também advertiu a cada um de nós: 'Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a cada dia sua cruz e me siga' (Lc 9,23), e mais ainda: 'Quem não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo' (Lc 14,27). – Se a senhora me permitir, deixo um conselho: se esse 'homem de Deus' a quem senhora se referiu está ensinando algo diferente disso, corra para bem longe dele, porque está dizendo o contrário do que disse o Cristo! Em quem a senhora vai preferir confiar? Para não ter erro, entre numa igreja católica e reze, peça a Luz do Espírito Santo: peça a Ele que lhe mostre o caminho e qual a verdadeira igreja. Peça que lhe mostre se falsos pastores por acaso não andam tentando desviá-la do verdadeiro caminho do Senhor. Afinal, a Igreja Católica é a única que foi fundada diretamente por Jesus Cristo. Quem sabe um padre possa tirar outras dúvidas que a senhora tenha? Bom, eu já vou indo. Que Deus a abençoe".

Retomei meu caminho, mas a mulher continuou lá, parada, muda. Nem falou um “tchau”. Andei alguns passos e olhei para trás, para ver se estava ainda no mesmo lugar. E o que vi, desta vez, surpreendeu foi a mim: ela subira as escadas da igreja, e entrava timidamente pela porta(!).

Segui meu rumo pensando em quanta gente perdida, entre preconceitos implantados, precisando apenas de um bom conselho, transita pelas ruas desta cidade e do mundo, com a "cabeça feita" por falsos pregadores. Gente que depende apenas da orientação de um fiel católico para encontrar o seu caminho até a Igreja de Cristo. Católicos que, em sua maioria, permanecem mudos, mesmo quando aparece a oportunidade para evangelizar.

Título Original: É CORRETO FAZER O SINAL DA CRUZ AO PASSAR EM FRENTE A UMA IGREJA CATÓLICA? ISSO É BÍBLICO OU APENAS UMA INVENÇÃO?


Site: Front Católico
Editado por Henrique Guilhon

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Jovens participam de Missão Solidária Marista


Por Adilson Jorge

Jovens Conectados




Oficinas, atividades lúdicas e integração com espaços importantes para as comunidades. Há 15 anos, os jovens que estão cursando o Ensino Médio nos Colégios Maristas e no Marista Escolas Sociais vivem a experiência do voluntariado e realizam visitas, troca de experiências, atividades e ações em áreas periféricas dos estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Neste ano, cerca de 500 voluntários, entre jovens e educadores, estão envolvidos na Missão Solidária Marista, que está acontecendo desde o dia 19 de janeiro e vai até dia 1º de fevereiro. As ações, que estão em sua décima quinta edição, acontecem simultaneamente nas cidades de São Paulo (SP), Curitiba e Paiçandu, no Paraná entre os dias 19 e 25 de janeiro. A partir de 26 de janeiro a 1º de fevereiro, os jovens estarão em Ponta Grossa (PR) e São José, (SC).

De acordo com o responsável pela Missão Solidária Marista, Bruno Socher, o objetivo é promover a sensibilidade solidária e a troca de experiências. “Educar para a solidariedade, com um aprendizado recíproco e dialógico, por meio da imersão em realidades desafiadoras”, afirma. Desde 2005, o Grupo Marista já realizou missões voluntárias em 48 localidades, que contaram com a participação de mais de dois mil jovens. Atualmente, o grupo está presente em alguns desses locais com o Marista Escolas Sociais no Paraná, Santa Catarina e São Paulo, oferecendo educação gratuita e de qualidade para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social.

Além de colocarem a mão na massa em ações para melhorar a estrutura de espaços públicos das comunidades, os jovens passam todo o período da Missão, hospedados em casas de famílias que moram nas comunidades. “Com certeza, esse é o ponto alto da experiência para os jovens, que criam laços para a vida e, além de ajudarem a comunidade, também ressignificam muitos sentimentos e valores. Mais do que a marca que deixam nos territórios, os estudantes também vão embora transformados”, salienta Bruno.

Ações e conscientização

Na capital paulista, na Zona Leste, as atividades incluem oficinas de empreendedorismo no Galpão da ZL e no Parque Jacui, oficinas de plantio e jardinagem com o Mulheres do GAU – Grupo de Agricultoras Urbanas, técnicas de reciclagem com os catadores de lixo da ONG Guerreiros de Deus, e nas ações da Pastoral da Criança. Em Curitiba, no Fazendinha os jovens vão conversar sobre “advocacy” – prática de cidadania que argumenta em prol da defesa de causas e direitos para influenciar políticas públicas – revitalizar a quadra do Colégio São Miguel e participar de oficinas no Hospital Cajuru e de reciclagem de lixo.

Em São José, (SC), os estudantes vão participar de atividades relacionadas à ecologia e ao meio ambiente, conhecendo ONGs de catadores de material reciclável e atuando no horto florestal da comunidade. Já em Paiçandu, no interior do Paraná, as mulheres da comunidade receberão oficinas sobre empoderamento feminino. Os alunos terão contato com a cooperativa de catadores e promoverão reformas em espaços comunitários. Em Ponta Grossa (PR), no bairro do Santa Mônica e educação de qualidade estará em pauta. Os estudantes vão conhecer as lideranças da região e reformar os muros e quadra de um centro municipal de educação infantil.

Por Nathalie Maia


Site: Jovens Conectados
Editado por Henrique Guilhon

quarta-feira, 1 de janeiro de 2020

O mistério da encarnação que fez da Virgem Maria a Mãe de Deus





Santo Canção Nova

Oitavas de Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo. Que graça para nós começarmos o primeiro dia do ano contemplando este mistério da encarnação que fez da Virgem Maria a Mãe de Deus!

Este título traz em si um dogma que dependeu de dois Concílios, em 325 o Concílio de Nicéia, e em 381 o de Constantinopla. Estes dois concílios trataram de responder a respeito desse mistério da consubstancialidade de Deus uno e trino, Jesus Cristo verdadeiro Deus e verdadeiro homem.

No mesmo século, século IV, já ensinava o bispo Santo Atanásio: “A natureza que Jesus Cristo recebeu de Maria era uma natureza humana. Segundo a divina escritura, o corpo do Senhor era um corpo verdadeiro, porque era um corpo idêntico ao nosso”. Maria é, portanto, nossa irmã, pois todos somos descendentes de Adão. Fazendo a relação deste mistério da encarnação, no qual o Verbo assumiu a condição da nossa humanidade com a realidade de que nada mudou na Trindade Santa, mesmo tendo o Verbo tomado um corpo no seio de Maria, a Trindade continua sendo a mesma; sem aumento, sem diminuição; é sempre perfeita. Nela, reconhecemos uma só divindade. Assim, a Igreja proclama um único Deus no Pai e no Verbo, por isso, a Santíssima Virgem é a Mãe de Deus.

No terceiro Concílio Ecumênico em 431, foi declarado Santa Maria a Mãe de Deus. Muitos não compreendiam, até pessoas de igreja como Nestório, patriarca de Constantinopla, ensinava de maneira errada que no mistério de Cristo existiam duas pessoas: uma divina e uma humana; mas não é isso que testemunha a Sagrada Escritura. porque Jesus Cristo é verdadeiro Deus em duas naturezas e não duas pessoas, uma natureza humana e outra divina; e a Santíssima Virgem é Mãe de Deus.

Santa Maria Mãe de Deus, rogai por nós!

Título Original: Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus


Site: Santo Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon