A Igreja é a coluna (mestra) e sustentáculo (preservadora) da verdade – 1º Tim 3,15

~~~~~~~~

É importante falar de Deus, das coisas de Deus, sem tirar os pés do mundo, pois estamos nele, embora que não sejamos dele. O Viver em Deus, fala de Deus, dos fatos da Igreja, do meio cristão católico. O Viver em Deus não é fechado em si mesmo, portanto faz também a apresentação de obras de outros sites católicos, o que, aqui, mais se evidencia, no intuito da divulgação e conhecimento dos mesmos. UM BLOG A SERVIÇO DA IGREJA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. Sejam todos bem - vindos!

~~~~~~~~

Quando neste blog é falado, apresentado algo em defesa da Igreja, contra o protestantismo, é feito com um fundo de tristeza ao ver que existem "cristãos" que se levantam contra a única Igreja edificada pelo Senhor Jesus no mundo. Bom seria se isto não existisse, a grande divisão cristã. Mas os filhos da Igreja têm que defendê-la.

Saibam, irmãos(ãs), que o protestantismo, tendo que se sustentar, se manter, se justificar, terá que ser sempre contra a Igreja católica (do contrário não teria mais razão de sê-lo) ainda que seja pela farsa, forjar documentos, aumentar e destorcer fatos (os que são os mais difíceis para se comprovar o contrário pelos cientistas católicos, pois trata-se de algo real, mas modificado, alterado para proveito próprio.) E tentarão sempre atingir a Igreja na sua base: mentiras contra o primado de São Pedro, contra o Papa e sua autoridade, contra o Vaticano, contra a sua legitimidade, e outros tantos absurdos. São, graças a Deus, muitos sites católicos que derrubam (refutam) estas mentiras, provando o seu contrário, bastando portanto se fazer uma pesquisa séria, por exemplo, com o tema: cai a farsa protestante, refutando o protestantismo, etc. O Espírito Santo jamais abandona sua Igreja. Que saibamos, por este Espírito, amar aos protestantes que não participam destas ações malignas, e aos que se incumbem destas ações, os inimigos da Igreja, que saibamos, ainda que não consigamos amá-los o bastante, ao menos respeitá-los em sua situação crítica perante Jesus e desejar a eles a conversão e a Salvação de Nosso Senhor Jesus. "Se soubéssemos verdadeiramente o que é o inferno, não o desejaríamos ao pior inimigo".

~~~~~~~~

Notas Importantes

*O marcador “IDOLATRIA”, na seção TEMAS, abaixo, à esquerda, assim está exposto com a função de desmentir as acusações de idólatras aos católicos, outras vezes também denunciando que estes próprios acusadores cometem a idolatria ao dinheiro, entre outras.

*Os anúncios que aparecem neste blog podem porventura não serem compatíveis com a doutrina católica, por escaparem da filtragem do sistema. Aconselha-se a quem se incomodar com estes anúncios, atualizar a página do blog até que eles sejam modificados.

*Ao usar o telemóvel escolha a opção “visualizar versão para a web”, localizada abaixo da opção “página inicial” , para que sejam utilizados todos os recursos apresentados na página como vista no computador.

~~~~~~~~

Para uma melhor visualização, abra o zoom de sua tela em 90%, ou de acordo com o seu encaixe

Tradutor

domingo, 25 de outubro de 2020

Homoafetividade: Fala do Papa é sobre dignidade e não muda doutrina sobre a família





CNBB

Após a repercussão da fala do Papa Francisco em um documentário sobre o direito de homossexuais a estarem em uma família e de terem uma proteção legal, o bispo de Rio Grande (RS) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Ricardo Hoepers, respondeu ao portal G1 a respeito do tema.

Perguntado se havia algum posicionamento da Conferência a respeito do tema, dom Ricardo explicou que, dentro da CNBB, “não houve nenhum tipo de avaliação em relação à fala do Papa Francisco para o documentário”. Mas ofereceu luzes para entender a fala do pontífice e a visão da Igreja sobre o tema.

“Percebo que o Papa Francisco mais uma vez demonstra sua serenidade, voltando-se também às questões reais da vida cotidiana. Ele tem uma sensibilidade pastoral tão aguçada que nos impressiona com seu nível de humanidade”, observou.

Ressaltando que era uma fala para um documentário, não um pronunciamento oficial ou que se insere em seu magistério, dom Ricardo salientou a forma com que Francisco aborda o tema, também em sintonia com os apelos contra a “globalização da indiferença”. “O Papa fala com o coração aberto sobre os reais sofrimentos das pessoas de condição homoafetiva. Em uma sociedade que exclui com preconceitos e violência, é uma fala sobre dignidade e, acima de tudo de respeito que devemos ter para com todas as pessoas”, afirmou.

“No caso das pessoas em condição homoafetiva, muitas delas são abandonadas pelas suas famílias, discriminadas pela sociedade, e à margem dos direitos de ter uma cidadania respeitada. A realidade da discriminação também pode levar à violência e à exclusão social. Portanto, diante desses perigos, o Papa entende que uma lei deve buscar garantir a seguridade que toda pessoa merece por ser cidadão de direitos”, pontou.

Doutrina sobre a família

O comentário do Papa, dentro do contexto do documentário, no entanto, não muda em nada do ponto de vista doutrinal ou dogmático sobre a família, segundo dom Ricardo, que destacou o parágrafo 292 da Exortação Apostólica pós-sinodal Amoris laetitia – sobre a alegria do amor na família para salientar a continuidade da Igreja que caminha “em pleno acordo com a Tradição da Igreja sobre a sacralidade do Matrimônio e sua dignidade no plano de Deus”.

“o matrimônio cristão, reflexo da união entre Cristo e a Igreja, realiza-se plenamente na união entre um homem e uma mulher, que se doam reciprocamente com um amor exclusivo e livre fidelidade, se pertencem até a morte e abrem à transmissão da vida, consagrados pelo sacramento que lhes confere a graça para se constituírem como Igreja doméstica e serem fermento de vida nova para a sociedade (Amoris laetitia, n. 292).

Outro bispo que também situou a fala do Papa Francisco em acordo com o Magistério e a Doutrina sobre a dignidade da pessoa humana e sobre a família foi dom Dimas Lara Barbosa, arcebispo de Campo Grande (MS). Em vídeo postado no canal da arquidiocese no Youtube ele resgata a fala do Papa e explica que a mesma “se insere perfeitamente dentro daquilo que a Igreja manifesta, por exemplo, no Catecismo”.


Site: CNBB
Editado por Henrique Guilhon

segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Como Nossa Senhora Aparecida se tornou a padroeira do Brasil?






GaudiumPress


Redação 


Atualmente Aparecida é o principal ponto de turismo religioso do país, reunindo anualmente por volta de 12 milhões de romeiros.

No dia 12 de outubro celebramos a festa de Nossa Senhora Aparecida. A data é tão importante que se tornou feriado nacional. Mas como essa invocação mariana alcançou o patamar de padroeira do Brasil?

A imagem de terracota encontrada em outubro de 1717, por três pescadores no Rio Paraíba do Sul em São Paulo, foi conservada em uma pequena capela. Entretanto, a quantidade de romeiros atraídos pelos inúmeros relatos de milagres da imagem de Nossa Senhora foi tão grande que em pouco tempo o local se transformou em uma cidade: Aparecida do Norte.
Santuário de Aparecida: o principal ponto de turismo religioso do Brasil

Atualmente Aparecida é o principal ponto de turismo religioso do país, reunindo anualmente por volta de 12 milhões de romeiros. O Santuário Nacional já foi visitado pelos três últimos Papas: João Paulo II, Bento XVI e Francisco.


Mas nem sempre foi assim. Segundo alguns historiadores, a devoção a Nossa Senhora Aparecida demorou para efetivamente se espalhar pelo Brasil. Os missionários da Congregação Redentorista, que se instalaram em Aparecida em 1895, tiveram grande papel na divulgação nacional dessa devoção.
Como Nossa Senhora Aparecida se tornou Rainha do Brasil?

Em 1868, a Princesa Isabel, que estava tendo dificuldades para ter um filho, foi até Aparecida pedir a intercessão da Mãe de Deus. Pouco tempo depois suas orações foram atendidas de forma abundante: a princesa teve três filhos, que garantiriam a sucessão imperial.


Como forma de agradecer a graça alcançada, a princesa retornou a Aparecida em novembro de 1888 e doou uma coroa de ouro cravejada de diamantes e rubis e um manto azul. Esta mesma coroa foi utilizada em 1904 durante uma cerimônia oficial na qual um representante do Papa a coroou oficialmente como Rainha do Brasil. Alguns historiadores acreditam que o ocorrido teve forte influência da Princesa Isabel junto ao Vaticano.

Quando Nossa Senhora Aparecida foi proclamada oficialmente como padroeira do Brasil?

Entretanto, essa coroação não tornou Nossa Senhora Aparecida padroeira oficial do Brasil. Isso só ocorreu no 16 de julho de 1930, através de um decreto do Papa Pio XI. O ato apenas legitimou algo que os brasileiros já levavam no coração. Em 31 de maio de 1931, a imagem foi em romaria até o Rio de Janeiro, então capital federal, onde foi realizada uma Missa Solene na qual se oficializou o decreto papal.

No dia 30 de junho de 1980, data na qual João Paulo II desembarcava pela primeira vez no Brasil, o presidente João Figueiredo declarou, a partir do decreto de Lei n° 6.802, 12 de outubro como feriado nacional para culto público e oficial a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.



Consagração Oficial à Nossa Senhora Aparecida

“Ó Maria Santíssima, pelos méritos de Nosso Senhor Jesus Cristo, em vossa querida imagem de Aparecida, espalhais inúmeros benefícios sobre todo o Brasil.

Eu, embora indigno de pertencer ao número de vossos filhos e filhas, mas cheio do desejo de participar dos benefícios de vossa misericórdia, prostrado a vossos pés, consagro-vos o meu entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis; consagro-vos a minha língua, para que sempre vos louve e propague a vossa devoção; consagro-vos o meu coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas.

Recebei-me, ó Rainha incomparável, vós que o Cristo crucificado deu-nos por Mãe, no ditoso número de vossos filhos e filhas; acolhei-me debaixo de vossa proteção; socorrei-me em todas as minhas necessidades espirituais e temporais, sobretudo na hora de minha morte.

Abençoai-me, ó celestial cooperadora, e com vossa poderosa intercessão, fortalecei-me em minha fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possa louvar-vos, amar-vos e dar-vos graças no céu, por toda eternidade. Assim seja!”. (EPC)


Site: GaudiumPress
Editado por Henrique Guilhon

sábado, 10 de outubro de 2020

Carlo Acutis, o anjo da juventude, é o mais novo beato da Igreja


Da redação


Missa de beatificação de Carlo Acutis, o novo beato da Igreja Católica / Foto: Reprodução Vatican News Youtube

Notícias Canção Nova

Membro da considerada geração do milênio, o jovem, que faleceu aos 15 anos, foi beatificado na histórica cidade de Assis

Com apenas 15 anos de idade, Carlo Acutis faleceu em um hospital em Monza, na Itália, em 2006. Tornou-se, desde então, um exemplo de santidade contemporânea. E neste sábado, 10, na Basílica de São Francisco, em Assis, na Itália, Carlo entrou para o panteão de beatos da Igreja Católica.

A celebração teve início com um breve histórico de Carlo, sobre a espiritualidade sensível do jovem e de sua devoção a Nossa Senhora. A mãe e os irmãos do venerável Servo de Deus também participaram da missa.

Uma carta do Papa Francisco foi lida aos presentes pelo cardeal Agostino Vallini — que também presidiu a missa. O Santo Padre oficializou a beatificação de Carlo por meio de uma carta lida pelo cardeal. “Ele tinha o dom de atrair e era visto como exemplo”, exortou o cardeal. “Desde jovem, sentia a necessidade da fé e tinha o olhar voltado para Jesus. O amor pela eucaristia sustentava e mantinha viva sua relação com Deus. ‘A eucaristia é a minha estrada para o céu’, já dizia o jovem Carlo”, reiterou o religioso. 

O cardeal também reforçou o caráter evangelizador presente na personalidade de Carlo, algo que o tornava único. “Jesus era, para ele, amigo, salvador, mestre. O propósito de tudo que fazia. Estava convencido que para se fazer o bem era preciso obter a energia do Senhor. Com este espírito, era muito devoto de Nossa Senhora. Queria atrair a Jesus o maior número de pessoas, anunciando o Evangelho”, enalteceu o cardeal Vallini.

Carlo era um prodígio em se tratando de tecnologia. Via a internet como um meio de tocar o coração das pessoas pelo Evangelho. “Extraordinário, de fato, era sua capacidade de testemunhar, mesmo às custas de enfrentar obstáculos e até zombarias. Considerava a internet um dom de Deus e um instrumento importante para se divulgar a Palavra de Deus. Não era apenas um espaço de evasão, mas que deveria ser usado com responsabilidade”, enalteceu o cardeal. 
Nossa Senhora

O menino tinha um amor e uma devoção especial a Nossa Senhora. “Consagrou-se a Maria e pedia sua proteção. Coração e missão, portanto. Esses são os dois traços da fé heroica do beato Carlo Acutis, que no decorrer de sua breve vida, levou a confiar-se ao Senhor, especialmente nos momentos mais difíceis”, ponderou o cardeal durante a celebração. 

Tinha uma grande caridade com os pobres, os mais necessitados e todos os marginalizados pela sociedade. “Sempre foi acolhedor com os necessitados, e quando os encontrava a caminho da escola, parava para escutá-los e ouvir seus problemas. E os ajudava na medida do possível. Nunca se voltou para si, mas foi capaz de compreender a necessidade das pessoas em que via a face de Jesus Cristo”, bendisse o cardeal.

“Um jovem do nosso tempo que foi conquistado por Cristo e se tornou um farol para aqueles que querem conhecê-Lo. Ele nos ensinou que a fé não nos afasta da vida. Atraídos por sua exuberante experiência, para que também a nossa vida possa resplandecer de luz”, finalizou o cardeal Agostino Vallini, expressando a vida do jovem que agora será imortalizado pela Igreja.



Site: Notícias Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon

quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Nossa Senhora do Rosário



Canção Nova


Esta festa foi instituída pelo Papa Pio V em 1571, quando celebrou-se a vitória dos cristãos na batalha naval de Lepanto. Nesta batalha os cristãos católicos, em meio a recitação do Rosário, resistiram aos ataques dos turcos otomanos vencendo-os em combate.

A celebração de hoje convida-nos à meditação dos Mistérios de Cristo, os quais nos guiam à Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição do Filho de Deus.

A origem do Rosário é muito antiga, pois conta-se que os monges anacoretas usavam pedrinhas para contar o número das orações vocais. Desta forma, nos conventos medievais, os irmãos leigos dispensados da recitação do Saltério (pela pouca familiaridade com o latim), completavam suas práticas de piedade com a recitação de Pai-Nossos e, para a contagem, o Doutor da Igreja São Beda, o Venerável (séc. VII-VIII), havia sugerido a adoção de vários grãos enfiados em um barbante.

Na história também encontramos Maria que apareceu a São Domingos e indicou-lhe o Rosário como potente arma para a conversão: “Quero que saiba que, a principal peça de combate, tem sido sempre o Saltério Angélico (Rosário) que é a pedra fundamental do Novo Testamento. Assim quero que alcances estas almas endurecidas e as conquiste para Deus, com a oração do meu Saltério”.

Essa devoção, propagada principalmente pelos filhos de São Domingos, recebe da Igreja a melhor aprovação e foi enriquecida por muitas indulgências. Essa grinalda de 200 rosas – por isso Rosário – é rezado praticamente em todas as línguas, e o saudoso Papa João Paulo II e tantos outros Papas que o precederam recomendaram esta singela e poderosa oração, com a qual, por intercessão da Virgem Maria, alcançamos muitas graças de Jesus, como nos ensina a própria Virgem Santíssima em todas as suas aparições.

Nossa Senhora do Rosário, rogai por nós!


Site: Santo Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

São João Batista, último dos profetas, morre dando testemunho da Fé



 A Igreja recorda o martírio de São João Batista, o último dos profetas antes da chegada do Messias.


GaudiumPress

O Santo Profeta sabia que sua obrigação era “anunciar e denunciar”, não se calou, pensou na Verdade, antes de pensar na própria vida. 

São João Batista não só foi contemporâneo de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas também foi seu Parente. 

Sua Mãe Santa Isabel era prima da Virgem Maria.

São João Batista morreu dando testemunho da Fé

São João morreu dando testemunho da Fé, manteve-se firme depois de denunciar a convivência ilícita que o rei Herodes Antipas mantinha com Herodias, esposa de seu irmão Filipe. Por causa disso, São João foi preso na Fortaleza de Maqueronte e, depois, decapitado por ordem do rei.

“Não te é permitido coabitar com a esposa de seu irmão”, lembrava São João ao rei, denunciando dessa forma a vida imoral que o poderoso monarca levava.


O santo profeta sabia que sua obrigação era “anunciar e denunciar”

São João já havia sido aconselhado em diversas ocasiões que não deveria fazer críticas públicas ao rei por causa dos danos que isso lhe poderia causar, porém o santo profeta sabia que sua obrigação era “anunciar e denunciar”, por isso decidiu não se calar, mas dizer a verdade, como Nosso Senhor Jesus Cristo também fez.

Herodes tinha certo respeito e admiração por João Batista

Em seu Evangelho, São Marcos lembra que Herodes tinha um certo respeito e admiração por São João, mas sentiu-se de tal modo pressionado a agir contra ele que resolveu prendê-lo. Herodias, amante do rei, pretendia acabar com a vida daquele homem que a criticava tão duramente e com tanta desenvoltura e coragem.


Herodias respondeu de imediato: “Quero a cabeça de João Batista”

São Marcos narra que o rei Herodes decidiu fazer um grande banquete em seu palácio para comemorar seu aniversário. Todos os chefes da cidade estiveram presentes no banquete.

Para presentear o rei, a filha de Herodias executou uma dança que Herodes gostou muito. Quando ela terminou, Herodes lhe fez um juramento: “Peça-me o que quiser e eu darei a você, mesmo metade do meu reino.”

A moça, então, foi procurar sua mãe para perguntar o que ela deveria pedir ao rei. E Herodias respondeu de imediato: “a cabeça de João Batista.”

A moça levou, então, a resposta ao rei. E Herodes espantou-se com o pedido feito por ela e ficou triste, pois ele admirava e respeitava São João, porém, ele havia feito um juramento diante de todos os notáveis ​​do reino, por isso, imediatamente ordenou que um guarda fosse até onde o profeta estava e lhe cortasse a cabeça.

E a cabeça de São João foi apresentada à moça, que por sua vez, a levou até sua mãe.
O verdadeiro cristão pensa na Verdade antes de pensar na própria vida

O martírio de São João Batista é um exemplo de testemunho da obrigação que tem o cristão de dizer a verdade em todos os momentos, mesmo que isso possa trazer consequências negativas para ele:

O verdadeiro cristão pensa na Verdade antes de pensar na própria vida. Isto faz sentido na medida em que, assim agindo, serve ao Senhor, anuncia sua Vida e sua Palavra.
Martírio de São João Batista: exemplo para o século XXI

O martírio de São João Batista continua sendo exemplo no século XXI. Os recentes martírios no Oriente Médio, por meio de decapitações, nos lembram São João Batista e o admirável testemunho de manter a fé até as últimas consequências. (JSG)


Site: GaudiumPress
Editado por Henrique Guilhon

domingo, 26 de julho de 2020

Papa: Jesus é o tesouro escondido, a pérola de grande valor


Antoine Mekary | ALETEIA


Aleteia

Em nossos dias, disse o Papa Francisco, “a vida de alguns pode resultar medíocre e sem brilho porque provavelmente não foram em busca de um verdadeiro tesouro”

“OReino dos Céus é o contrário das coisas supérfluas que o mundo oferece, é o contrário de uma vida banal: é um tesouro que renova a vida a cada dia e a expande em direção a horizontes mais amplos.”

Foi o que disse o Papa Francisco no Angelus deste domingo, falando da janela do palácio apostólico que dá para a Praça São Pedro aos fiéis e peregrinos que com o Santo Padre rezaram a oração mariana.

A reflexão do Santo Padre concentrou-se no Evangelho do dia (Mt 13,44-52), que corresponde aos últimos versículos do capítulo que Mateus dedica às parábolas do Reino dos Céus.

O trecho compreende três parábolas brevemente acenadas e muito curtas: a do tesouro escondido no campo, a da pérola preciosa e a da rede lançada ao mar.

Na alocução que precedeu à oração mariana Francisco deteve-se sobre as duas primeiras nas quais o Reino dos Céus é assimilado a duas diferentes realidades “preciosas”, ou seja, o tesouro no campo e a pérola de grande valor.

“A reação daquele que encontra a pérola ou o tesouro é praticamente igual”, observou: “o homem e o mercante vendem tudo para adquirir aquilo mais têm a peito”.

“Com essas duas semelhanças, Jesus se propõe envolver-nos na construção do Reino dos Céus, apresentando uma característica essencial do mesmo: aderem plenamente ao Reino aqueles que estão dispostos a arriscar tudo.”

“De fato, tanto o homem quanto o mercante das duas parábolas vendem tudo aquilo que possuem, abandonando assim suas seguranças materiais. Disso se entende que a construção do Reino exige não somente a graça de Deus, mas também a disponibilidade ativa do homem.”

Os gestos daquele homem e do mercante que vão em busca, privando-se de seus bens, para comprar realidades mais preciosas, são gestos decididos e radicais. “E, sobretudo, feitos com alegria, porque ambos encontraram o tesouro.”

“Somos chamados a assumir a atitude destes dois personagens evangélicos, tornando-nos também nós saudáveis buscadores irrequietos do Reino dos Céus. Trata-se de abandonar o pesado fardo de nossas seguranças mundanas que nos impedem de buscar e construir o Reino: a ganância pela posse, a sede de lucro e de poder, o pensar somente em nós mesmos.”

Em nossos dias, prosseguiu o Papa, “a vida de alguns pode resultar medíocre e sem brilho porque provavelmente não foram em busca de um verdadeiro tesouro: contentaram-se com coisas atraentes, mas efêmeras, cintilantes, mas ilusórias, porque depois deixam na escuridão.”
Verdadeiro tesouro

Segundo o Papa, o Reino dos Céus “é um tesouro que renova a vida a cada dia e a expande em direção a horizontes mais amplos”, e “quem encontrou este tesouro tem um coração criativo e em busca, que não repete, mas inventa, traçando e percorrendo novos caminhos, que nos levam a amar Deus, a amar os outros, a amar verdadeiramente a nós mesmos”.

“Jesus, que é o tesouro escondido e a pérola de grande valor, só pode suscitar alegria, toda a alegria do mundo: a alegria de descobrir um sentido para a própria vida, a alegria de senti-la comprometida com a aventura da santidade.”

“Que a Santíssima Virgem nos ajude a buscar todos os dias o tesouro do Reino dos Céus, a fim de que em nossas palavras e em nossos gestos se manifeste o amor que Deus nos deu através de Jesus”, disse o Papa Francisco.


Site: Aleteia
Editado por Henrique Guilhon

segunda-feira, 29 de junho de 2020

29 de junho: O dia do Papa




Gaudium Press

Enquanto a Santa Igreja celebra a Solenidade de São Pedro e São Paulo, as duas colunas que solidificam o alicerce da Fé, o calendário civil comemora o dia do Papa, glorificando aquele que foi eleito para governar e santificar os fiéis.



Em honra do martírio do primeiro Pontífice, o apóstolo São Pedro, comemora-se o dia do Papa em 29 de junho.

Muitas vezes, entretanto, a figura do Papa é tomada como um simples representante diplomático ou político, posto num elevado cargo, que tem autoridade e domínio sobre parte da sociedade. Lastimoso equívoco, pois tão grande é a missão e vocação desse varão escolhido por Deus, que ele é chamado a se configurar com Jesus Cristo, em tão alto grau, que seja sua perfeita representação dentre os homens. Deus deve estar presente no mundo através do Sumo Pontífice.
Fundada sobre uma “pedra”

O papado é uma instituição fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo a fim de constituir uma cabeça visível que governe a Santa Igreja Católica no decorrer dos séculos, até o fim dos tempos.


No ato da instituição, o próprio Deus entregou os poderes espirituais e temporais ao Apóstolo Pedro, que Ele escolheu para ser o primeiro dos Papas.

Sua origem remonta dos tempos em que o Deus Humanado vivia sobre a Terra.

Com efeito, enquanto Jesus caminhava no território de Cesareia de Filipe, com seus discípulos, aconteceu uma cena que marcaria toda a história da humanidade. Um simples pescador da Galileia proclama em alta voz: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!” (Mt 16,16) Após essa primeira manifestação pública da divindade de Jesus, o Homem-Deus anuncia que fundará sua Igreja sobre esta pedra, que era Pedro, e que ninguém, nem mesmo as portas do inferno poderão derrotá-la. Entrega-lhe também “as chaves do Reino do Céu”, que representam todo o poder sobre a sociedade espiritual e temporal de que o Papa dispõe.



Início simples na aparência, mas divino na realidade. Dessa maneira Deus fundava uma instituição que foi capaz de perpetuar sua existência até o fim dos tempos. Embora inúmeras vezes, ao longo da história, os maus a tentaram destruir, isso nunca acontecerá, pois a promessa de indestrutibilidade veio do próprio Deus.

Quem é o Papa? E quais são os seus poderes?

Atualmente, a eleição de um Papa se realiza mediante um conclave , ou seja, a reunião de todos os cardeais com menos de 80 anos, para escolher aquele que será elevado ao Sólio Pontifício. O Espírito Santo, que sempre está presente na Igreja, santificando as almas, é quem realmente preside a reunião, e pela boa fé dos cardeais e confiança na assistência divina, eles creem estar elegendo aquele que foi escolhido pelo próprio Deus. É necessário, pelas leis da Igreja, que os eleitores sejam cardeais, ou seja, um bispo que recebeu um título que lhe elevou à dignidade de Príncipe da Igreja. Porém, não é necessário que o eleito seja bispo, se alguém for escolhido nessa condição, se procede imediatamente à ordenação episcopal.



Ao ser eleito e assumir a governo da Santa Igreja, o Sumo Pontífice passa a ter plenos poderes de jurisdição, conforme o Código de direito canônico: “O Bispo da Igreja de Roma, no qual permanece o múnus concedido pelo Senhor de forma singular a Pedro, o primeiro dos Apóstolos, para ser transmitido aos seus sucessores, é a cabeça o Colégio dos Bispos, Vigário de Cristo e Pastor da Igreja universal neste mundo; o qual, por consequência, em razão do cargo, goza na Igreja de poder ordinário, supremo, pleno, imediato e universal, que pode exercer sempre livremente”.



Além do poder de jurisdição – que lhe dá o direito de promulgar leis, julgar e impor penas, de forma direta no campo espiritual e indireta no temporal, sempre que se apresente necessária para obter bens espirituais – os poderes do Santo Padre são os de ensinar, por ser ele, por excelência, aquele que transmite os ensinamentos da fé para o rebanho de Cristo . No tocante às matérias de fé e moral, o Papa ao se pronunciar ex-cathedra, ou seja, sob o peso de sua autoridade outorgada por Deus, de acordo com um cerimonial pré-estabelecido, em nome de toda a Santa Igreja, ele é infalível, e, portanto, não pode errar. Isso é o que norteia e sustenta a confiança dos fiéis, pois vivendo em meio aos maiores encalços do mundo hodierno, sabem que sempre haverá uma voz que ensina a verdade de maneira inerrante.
Grandes Papas

Ser Papa é realmente uma missão altíssima, e por essa razão o Sumo Pontífice é assistido de maneira toda especial pela graça divina. Quase se diria que é difícil não se santificar, tal é a intensidade das graças que a Providência lhe dispensa. Por isso, muito foram os Pontífices que praticaram as virtudes em grau heroico, e foram elevados às honras dos altares. São santos.


No decorrer da vida desses insignes pastores, além de serem exemplos de virtude, muitos deles, marcaram a história.

São Leão Magno (440-461), por exemplo, no período de seu pontificado, além de combater vivamente diversas heresias, como o nestorianismo, o monofisismo, o pelagianismo, enfrentou pessoalmente Átila, o chefe dos Hunos, um povo bárbaro extremamente violento, que estava para invadir Roma. O Papa com toda coragem dirigiu-se a ele paramentado com as vestes pontificais, e no momento do encontro entre um venerável ancião e o chefe dos Hunos, acompanhando o séquito pontifício apareceram no Céu as figuras de São Pedro e São Paulo, corroborando a atitude do Santo Pontífice, que por força de sua presença dobrou ao chão a autoridade de um fanático por destruir a civilização. Roma e boa parte da Cristandade foram salvas pela força do Papa, o que nem mesmo o Imperador foi capaz de fazer.



De muitas outras formas, refulgiu aos olhos dos homens a glória de insignes Papas que souberam defender e guiar a Santa Igreja, dentre eles São Gregório VII (1020-1085), no período da Idade Média, que após sua nomeação pôs em prática a reforma que vinha planejando enquanto auxiliava seus predecessores, deixou bem demarcada a autoridade da Igreja em relação ao poder temporal, e reformou as instituições eclesiásticas. São Pio V (1566-1572), que renovou o clero e a liturgia da Missa, e salvou o continente europeu da invasão muçulmana na Batalha de Lepanto, com o auxílio da Santíssima Virgem. São Pio X (1903-1914), que foi um insigne defensor da ortodoxia doutrinária, governando a Igreja em um período de intenso laicismo, e tendências modernistas. Além de combater esses erros, foi um propulsor do convívio eucarístico entre os fiéis, inclusive permitindo o acesso precoce das crianças à Eucaristia. Promoveu o estudo do canto gregoriano, criou a Pontifícia Comissão Bíblica e colocou as bases do Código de Direito Canônico, promulgado após sua morte, em 1917.



Por fim, além dos santos, outros tipos de homens também ficam registrados nas páginas da história, como é o caso daqueles que praticam ações abomináveis que devem ser lembradas como um exemplo para não seguir, assim aconteceu com os antipapas. Trata-se de usurpadores que ilicitamente se sentaram, ou tentaram se sentar, no Trono de São Pedro, utilizando de prerrogativas que não lhes são próprias, causando divisão e confusão nos fiéis.

* * *

Ser o Doce Cristo na Terra, eis a missão tão grandiosa que o próprio Deus outorgou àquele que Ele escolheu para governar a Santa Igreja, proteger o rebanho, expandir a Fé, e assim, constituir o Reinado de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre todos os homens. Missão grandiosa, e muito séria, pois um único homem passa a responder perante o Criador pela salvação ou perdição de todo o rebanho.



Passaram-se dois milênios e a Santa Igreja atravessou incólume todas as procelas e tempestades que a atingiram. Nesses tempos calamitosos em que vivemos devemos ter certeza de que não será diferente. Deus sempre protegerá sua Igreja do ataque dos adversários. Tenhamos fé em suas palavras: “As portas do Inferno não prevalecerão contra Ela”. (Mt 16, 18)

Por Jiordano Cararro

1 As normas que regem a eleição de um novo Pontífice se encontram na Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis, do Papa João Paulo II, de 22 de fevereiro de 1996, que vigora até os dias de hoje. Disponível em <http://www.vatican.va>.
2 Código de Direito Canônico. Cânon 331.
3 Catecismo da Igreja Católica. § 891.


Site: Gaudium Press
Editado por Henrique Guilhon

domingo, 31 de maio de 2020

O Tempo das Catacumbas




Cléofas

As catacumbas são cemitérios gigantescos, subterrâneos, onde gerações de cristãos enterraram seus mortos.

As mais importantes estão em Roma, mas as encontramos também em Nápoles, Siracusa, na África, Egito e Ásia Menor. As mais antigas de Roma são as grutas vaticanas, do século I, Comodila, Domitila, Giovani, Panfilo, São Sebastião, Santa Priscila, Santa Domitila, Santos Marcelino e Pedro, Santa Sabrina e São Calisto. Os cristãos preferiam sepultar os seus mortos ao invés de incinerá-los como faziam os romanos, pois a tradição bíblica nunca falou em cremação, embora esta seja hoje permitida pela Igreja, desde que não seja para desafiar a fé na ressurreição (cf. CIC §2301).

Para livrar-se da perseguição os cristãos haviam convertido as catacumbas em intrincados labirintos. Mas este recurso não lhes salvou do ódio dos pagãos, encurralando-os e matando-os como se fossem bestas ferozes. De modo especial isso ocorreu no século III.

Flávia Domitila, sobrinha do imperador Vespasiano (69-79), convertida, entregou o terreno de uma de suas casas de campo para a sepultura dos seus parentes cristãos e demais fiéis. A lei romana considerava sagrado o lugar de um cemitério. Esses cemitérios cristãos cresceram tanto que tinham um administrador. No ano 217 um desses se tornou o Papa Calisto I (217-223), cujo nome ficou ligado a uma dessas regiões. Essa Roma subterrânea é imensa; algumas delas têm cinco andares e a mais profunda chega a 25 metros abaixo da superfície. O total de seu comprimento é algo em torno de mil quilômetros. A de Santa Sabrina, que não é a mais extensa, tinha 16.500 metros quadrados de superfície e 1600 metros de comprimento, com 7736 túmulos (Rops, Vol. I, p. 200).

Os cadáveres se depositavam em nichos construídos nas paredes dos corredores, alguns tão estreitos que só permitiam passar uma pessoa. Mas existiam lugares onde se alargavam formando pequenas criptas e ali se celebrava a Santa Missa. Ali, na escuridão daqueles lugares, esperava a Igreja, orando e sofrendo com paciência, que chegasse a hora de brilhar a luz do sol.

Nelas se encontram muitas figuras religiosas pintadas, o que mostra que os primeiros cristãos nunca rejeitaram as imagens. Encontramos a mais antiga imagem da Virgem Maria nas catacumbas de Priscila, em Roma. Pode-se ver claramente a representação do mistério central da nossa fé, a Encarnação: “Ali se vê a figura de um homem que aponta para uma estrela, situada acima da Virgem com o Menino, um profeta, provavelmente Balaão a anunciar que um astro procedente de Jacó se torna chefe” (Nm 24,17) (Catecismo da Igreja, Ed. Loyola, pp. 19-20).

Pode-se conhecer muito da história do Cristianismo nascente pela imensa quantidade de documentos arqueológicos encontrados nas catacumbas: diversos textos, cartas de bispos e santos, obras místicas, etc., que podem ser vistos no livro de Fabrizio Mancinelli.

De 117 a 138, reinou Adriano, que construiu o seu famoso mausoléu, hoje chamado de Castelo de Sant´Angelo próximo do Vaticano. A princípio Adriano mostrou certa tolerância com os cristãos, até que em 133 os romanos travaram três anos de guerra contra os judeus na Terra Santa e Adriano mandou profanar ali os lugares sagrados, tanto dos judeus como dos cristãos, sem que estes tivessem participado das revoltas contra o Império. Ele implantou o paganismo na Terra Santa e construiu sobre os lugares santos do Cristianismo, templos aos deuses romanos. A Palestina foi transformada na província romana Aelia Capitolina e a entrada em Jerusalém foi proibida a judeus e cristãos. O templo de Salomão foi transformado em templo de Júpiter; o Gólgota (Calvário) foi todo coberto para desaparecer, e sobre o túmulo de Jesus foi construído um templo a Vênus. Isto fez com que Santa Helena, no século IV, pudesse encontrar exatamente os lugares sagrados. Do mal Deus sabe preparar o bem.

Infelizmente os cristãos foram erroneamente identificados com os judeus, piores inimigos dos romanos; e a perseguição recomeçou, com muitos mártires. Em sua perseguição morreram os Papas Sisto I (115-125) e Telésforo (125-136).

De 138 a 161 reinou Antonino Pio e a perseguição continuou. O Liber Pontificalis e o Martirológio Romano afirmam que o Papa Santo Higino (136-140) sofreu o martírio no dia 11 de janeiro de 140 durante esta perseguição e foi sepultado junto ao corpo de São Pedro no Vaticano. O Martirológio diz ainda que foram mártires sete filhos da senhora Felicidade:

“Em Roma [festeja-se] a paixão dos santos sete irmãos mártires, isto é Januário, Félix, Filipe, Silvano, Alexandre, Vidal e Marcial no tempo do imperador Antonino, quando era prefeito da cidade Públio. Entre esses, Januário, após ter sido açoitado com varas e padecido no cárcere, foi morto com flagelos chumbados; Félix e Filipe foram mortos a cacete, Silvano foi jogado num precipício; Alexandre, Vidal e Marcial foram punidos com sentença capital” (Sgarbossa, 1996, p. 216).

De 161 a 180 reinou o filósofo estoico Marco Aurélio, que perseguiu os cristãos; foram martirizados São Justino (†165) o senador Apolônio, os Papas Aniceto (155-166), Sotero (166-175) e São Policarpo de Esmirna, que foi discípulo de São João em Éfeso. Em 172 o bispo Melitão de Sardes, na Lídia, escreveu uma Apologia a Marco Aurélio, mostrando que um bom entendimento entre o Estado e a Igreja seria bom para ambos. Também, em 177, Atenágoras de Atenas escreveu ao mesmo imperador e a seu filho Cômodo a respeito dos cristãos.

No ano de 177 um furor popular anticristão estourou em Lião, na Gália, em uma festa. Cerca de cinquenta cristãos, depois de torturados foram jogados às feras por serem “ateus”; não cultuavam os deuses. Em 180 seis cristãos de Cílio, no norte da África foram condenados à morte pelo procônsul Saturnino. O relato deste martírio é o primeiro texto cristão em língua latina.

De 180 a 192, reinou Cômodo, filho de Marco Aurélio; houve também mártires. No entanto, uma das mulheres de Cômodo, Márcia, tinha simpatia pelo Cristianismo e conseguiu que seu esposo diminuísse a perseguição aos cristãos. Muitos cristãos foram livres do exílio, da prisão e trabalhos forçados que estavam sofrendo. Embora o Cristianismo tenha sido considerado ilegal, a perseguição diminuiu e a Igreja pôde descansar durante um tempo. Mas a perseguição voltaria pesada no século III.

De 193 a 211, reinou Septímio Severo, que baixou um decreto contra os cristãos e judeus, e proibiu as conversões ao Cristianismo. Foram martirizados: Santa Perpétua e Santa Felicidade, em Cartago; Clemente de Alexandria e os Papas Vitor I (189-199) e Zeferino (199-217).

Tertuliano (†220) em 197, escreveu o seu Apologeticum aos governantes do Império, onde ataca as violações do direito nos processos contra os cristãos: falta de advogado, torturas usadas, condenação apenas por causa do nome de cristãos, enquanto os filósofos pagãos podiam negar impunemente a existência dos deuses. Ele escreveu que: “Pendemos da cruz, somos devorados pelas chamas, a espada abre nossas gargantas e as bestas ferozes se lançam contra nós” (Apologeticum 31; cf. 12,50). E fazia esta observação aos pagãos, falando dos cristãos: “Vede como se amam mutuamente e como estão prontos a morrer um pelo outro!” (Idem 39).

São Justino (†165), escreveu:


“Cortam-nos a cabeça, crucificam-nos, expõem-nos às feras, atormentam-nos com cadeias, com o fogo, com os suplícios mais terríveis” (Diálogo com Trifão 110, p. 278).

Clemente de Alexandria (†215), escreveu:

“Diariamente vemos com os nossos olhos correr torrentes de sangue de mártires queimados vivos, crucificados ou decapitados” (Stromata II).

Em Roma, a morte dos condenados era para o povo um espetáculo. Dizia o poeta Prudêncio que “a dor de alguns é o prazer de todos” (Contra symmachum II, 11,26).

O Cristianismo era perseguido também pelos escritores pagãos como Celso, platônico, que no ano 178 atacava a fé cristã em suas obras; foi refutado por Orígenes em 245.

Retirado do livro: “História da Igreja – Idade Antiga”. Prof. Felipe Aquino. Ed. Cléofas.




Sobre Prof. Felipe AquinoO Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.


Site: Cléofas
Editado por Henrique Guilhon

quinta-feira, 9 de abril de 2020

Tríduo e Via-Sacra do Papa foram repensadas visando fiéis em isolamento

Da redação, com Vatican News

Papa durante celebração da Semana Santa 2019/ Foto: Daniel Ibanez – CNA


Notícias Canção Nova


Celebrações da Quinta-Feira e Sexta-feira Santa, e as Missas da Vigília e do Domingo de Páscoa serão mais sóbrias e terão apenas o essencial; fiéis poderão acompanhar o Papa pelos meios de comunicação

Tudo será mais sóbrio e essencial. O Departamento de Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice teve de organizar rapidamente as celebrações papais que Francisco está prestes a presidir sem a presença dos fiéis, numa Basílica de São Pedro semivazia. No entanto, nesta Páscoa muitos olharão para o Papa graças aos meios de comunicação. De fato, o Papa quer estar próximo de muitas pessoas impossibilitadas de irem à Missa e participar das liturgias desse Tríduo Pascal em tempos de pandemia e isolamento forçado. O crucifixo de São Marcelo e o ícone da Salus Populi Romani, que acompanharam a oração de 27 de março, e a Missa do Domingo de Ramos estarão sempre presentes.

Na Quinta-feira Santa, o Papa não presidirá a Missa do Crisma com os sacerdotes da Diocese de Roma: a celebração será realizada após o término da crise. A Missa na Ceia do Senhor, que recorda a instituição da Eucaristia, será celebrada às 18h (hora italiana), 13h no horário de Brasília, no Altar da Cátedra, sem o rito tradicional do Lava-pés e não se concluirá com a reposição do Santíssimo no final da celebração.

Haverá dois momentos na Sexta-feira Santa. O primeiro é a Liturgia da Paixão e da Adoração da Cruz, às 18h (13h no horário de Brasília), na Basílica de São Pedro. O crucifixo de São Marcelo será coberto. Haverá uma meditação do pregador da Casa Pontifícia, frei Raniero Cantalamessa, e depois o crucifixo será descoberto. Haverá adoração, mas não o beijo na cruz.

Na noite da Sexta-feira Santa, às 21h (16h de Brasília), haverá a Via-Sacra na Praça São Pedro, com as estações ao longo da colunata, ao redor do obelisco e ao longo do percurso que leva ao adro. Dois grupos levarão a cruz. Haverá dois detentos do cárcere “Due Palazzi” de Pádua (as meditações foram escritas por alguns deles) e alguns médicos e enfermeiros do FAS (Fundo de Assistência Médica Vaticana). Médicos e enfermeiros estão na vanguarda do serviço aos doentes afetados pela pandemia.

Durante a Vigília do Sábado Santo, às 21h (16h de Brasília), não serão celebrados batismos. A cerimônia inicial com a Bênção do Fogo será realizada atrás do altar da Confissão. Não haverá luzes para os presentes e o canto das três invocações “Lumen Christi”, ocorrerá somente quando as luzes forem acesas na Basílica durante a procissão ao altar da Cátedra. Os sinos da Basílica de São Pedro tocarão no momento do Glória, anunciando a ressurreição.

A mesma sobriedade também caracterizará a Missa do Domingo de Páscoa que o Papa celebrará às 11h locais (6h de Brasília) no Altar da Cátedra. O Evangelho será proclamado em grego e latim. No final da Missa, Francisco irá à sacristia para tirar as vestimentas, depois retornará à Basílica diante do altar da Confissão para proferir a mensagem Urbi et Orbi e dar a bênção pascal.


sexta-feira, 27 de março de 2020

Papa Francisco abençoou o mundo e concedeu indulgência plenária frente ao coronavírus




AciDigital

O Papa Francisco presidiu nesta sexta-feira, 27 de março, um momento extraordinário de oração devido à pandemia de coronavírus, no qual concedeu a bênção Urbi et Orbi a Roma e ao mundo, com a possibilidade dos fiéis obterem a indulgência plenária.

O Santo Padre presidiu a oração do átrio da Basílica de São Pedro, em meio à chuva e diante de uma praça vazia, devido às medidas de segurança que as autoridades italianas estabeleceram para superar a emergência sanitária.

A oração começou com a leitura da passagem do Evangelho de São Marcos (4,35-41), na qual Jesus acalma a tempestade no mar da Galileia, depois de ser despertado pelos apóstolos que o acompanhavam na barca.

"Deus Onipotente e misericordioso, olha nossa dolorosa condição: conforte os seus filhos e abra nossos corações à esperança, para que possamos sentir em nosso meio a tua presença de Pai", disse o Santo Padre antes da leitura do Evangelho.

No evento estiveram o ícone mariano da Salus Populi Romani (Saúde do povo romano), diante do qual rezou há alguns dias na Basílica de Santa Maria Maior, e o Cristo milagroso de São Marcelo, diante do qual também rezou pelo fim da pandemia.

Em sua meditação, o Papa assinalou que, atualmente, e diante da epidemia de coronavírus, “densas trevas cobriram as nossas praças, ruas e cidades; apoderaram-se das nossas vidas, enchendo tudo de um silêncio ensurdecedor e um vazio desolador, que paralisa tudo à sua passagem: pressente-se no ar, nota-se nos gestos, dizem-no os olhares”.

"Revemo- nos temerosos e perdidos. À semelhança dos discípulos do Evangelho, fomos surpreendidos por uma tempestade inesperada e furibunda. Demo-nos conta de estar no mesmo barco, todos frágeis e desorientados mas ao mesmo tempo importantes e necessários: todos chamados a remar juntos, todos, carecidos de mútuo encorajamento”.

“Com Ele a bordo, experimentaremos – como os discípulos – que não há naufrágio. Porque esta é a força de Deus: fazer resultar em bem tudo o que nos acontece, mesmo as coisas ruins. Ele serena as nossas tempestades, porque, com Deus, a vida não morre jamais. O Senhor interpela-nos e, no meio da nossa tempestade, convida-nos a despertar e ativar a solidariedade e a esperança, capazes de dar solidez, apoio e significado a estas horas em que tudo parece naufragar", disse o Santo Padre.

“O Senhor desperta, para acordar e reanimar a nossa fé pascal. Temos uma âncora: na sua cruz, fomos salvos. Temos um leme: na sua cruz, fomos resgatados. Temos uma esperança: na sua cruz, fomos curados e abraçados, para que nada e ninguém nos separe do seu amor redentor".

Francisco então enfatizou que, "no meio deste isolamento que nos faz padecer a limitação de afetos e encontros e experimentar a falta de tantas coisas, ouçamos mais uma vez o anúncio que nos salva: Ele ressuscitou e vive ao nosso lado".

O Papa Francisco também nos encorajou a abraçar a cruz de Cristo, pois nela “fomos salvos para acolher a esperança e deixar que seja ela a fortalecer e sustentar todas as medidas e estradas que nos possam ajudar a salvaguardar-nos e a salvaguardar. Abraçar o Senhor, para abraçar a esperança. Aqui está a força da fé, que liberta do medo e dá esperança".

“Queridos irmãos e irmãs, deste lugar que atesta a fé rochosa de Pedro, gostaria nesta tarde de vos confiar a todos ao Senhor, pela intercessão de Nossa Senhora, saúde do seu povo, estrela do mar em tempestade. Desta colunata que abraça Roma e o mundo desça sobre vós, como um abraço consolador, a bênção de Deus", enfatizou.

Após sua reflexão, o Santo Padre foi até a entrada da Basílica de São Pedro, onde fez adoração ao Santíssimo Sacramento em silêncio por vários minutos, acompanhado por algumas autoridades do Vaticano, e depois presidiu algumas orações, como a súplica em ladainhas.

Em seguida, foi entoado o Tantum ergo, enquanto o Pontífice incensou o Santíssimo Sacramento e fez uma breve oração.

Depois, o Cardeal Angelo Comastri, Arcipreste da Basílica de São Pedro, anunciou a bênção Urbi et Orbi com a indulgência plenária.

"O Santo Padre Francisco, a todos aqueles que recebem a bênção eucarística, também por meio da rádio, da televisão e de outras tecnologias de comunicação, concede a indulgência plenária na forma estabelecida pela Igreja", afirmou o Purpurado italiano.

O Papa, então, abençoou Roma e o mundo inteiro com o Santíssimo Sacramento da porta da Basílica. Enquanto durou a bênção, os sinos tocaram e a polícia acionou as sirenes.

Após a bênção, foram feitas aclamações ao Senhor, a Nossa Senhora e a São José; e depois foi realizada a reserva do Santíssimo na Basílica.

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Nathália Queiroz.


Site: AciDigital
Editado por Henrique Guilhon

quarta-feira, 25 de março de 2020

Por que é tão importante a Anunciação do Anjo a Maria, que celebramos hoje


Fra Angelico

Alateia

É uma data-chave na história da Salvação: graças ao SIM de Maria, o Verbo de Deus Se faz carne e vem habitar entre nós.

AIgreja celebra no dia 25 de março a Solenidade da Anunciação a Maria, isto é, o dia em que o Arcanjo Gabriel lhe anunciou que ela conceberia por obra do Espírito Santo e daria à luz Jesus Cristo, o Filho de Deus.

A celebração ocorre simbolicamente nesta data porque são exatos nove meses antes do Natal, representando assim os nove meses da gestação de Jesus. Existe, porém, uma exceção: nos anos em que esta solenidade cai na Semana Santa, o Missal Romano estabelece que ela seja transferida para a segunda-feira posterior ao segundo domingo de Páscoa.

Trata-se do episódio da história da Salvação em que Maria diz sim ao Plano de Deus. Esta aceitação humilde e repleta de fé por parte dela transforma a trajetória da humanidade, pois o sim de Maria permite que Deus Se encarne para nos remir.

Francisco Rizi | Public Domain

Há um notável paralelo entre a Anunciação a Maria e a anunciação a Zacarias, o pai de São João Batista. Em ambos os casos, o Arcanjo Gabriel lhes aparece para transmitir a notícia dos respectivos nascimentos de Jesus e do Seu precursor, mas as reações de Zacarias e de Maria são bem diferentes num aspecto crucial: a fé.

Zacarias questiona como poderia saber se o aquilo que o Arcanjo estava lhe dizendo era verdade. Ou seja, ele duvida.

Já Maria pergunta diretamente como aconteceria aquele anúncio. Ou seja, ela acreditou imediatamente que aconteceria, mas queria compreender o modo.

O Arcanjo Gabriel então lhe disse:

“O Espírito virá sobre ti e o poder do Altíssimo te cobrirá com Sua sombra. Por isso, o Menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus”.

Murillo | Public Domain

Fica clara, portanto, a intervenção das três Pessoas da Santíssima Trindade na Encarnação Divina: pela ação do Espírito Santo, o Pai faz que o Filho seja concebido como homem no ventre de uma virgem, sem que haja um pai humano. O Arcanjo deixa explícito, além do mais, que o Menino que vai nascer é o Filho de Deus encarnado.

E Maria acolhe, como serva humilde e fiel, a vontade de Deus:

“Faça-se em mim segundo a tua palavra”.

É o que recordamos diariamente na oração do Ângelus.


Site: Aleteia
Editado por Henrique Guilhon

segunda-feira, 23 de março de 2020

Papa convoca à oração do Pai-Nosso mundial contra coronavírus em 25 de março





Cléofas

De acordo com o site ACI, ao finalizar a oração do Ângelus no domingo, 22 de março, o Papa Francisco convocou todos os cristãos do mundo a rezar juntos a oração do Pai-Nosso na próxima quarta-feira, 25 de março, para invocar a Deus sua proteção diante da pandemia de coronavírus COVID-19.

Em concreto, o Santo Padre convocou “todos os chefes das Igrejas e os líderes de todas as comunidades cristãs, junto a todos os cristãos das várias confissões, a invocar o Altíssimo, Deus Todo-Poderoso, recitando simultaneamente a oração que Jesus Nosso Senhor nos ensinou”.

Convidou todos a “rezar o Pai-Nosso várias vezes ao dia, mas, todo juntos” e especialmente a rezar esta oração do Pai-Nosso no próximo dia 25 de março, ao meio-dia (hora local), “todos juntos”, pediu o Papa.

“No dia em quem muitos cristãos recordam o anúncio da Encarnação do Verbo à Virgem Maria, que o Senhor possa ouvir a oração unânime de todos os seus discípulos que se preparam para celebrar a vitória de Cristo Ressuscitado”.

Além disso, o Pontífice explicou: “Queremos responder à pandemia do vírus com a universalidade da oração, da compaixão, da ternura. Permaneçamos unidos. Façamos com que as pessoas mais sozinhas e em maiores provações sintam a nossa proximidade”.

Assim, o Santo Padre expressou proximidade “aos médicos, aos profissionais da saúde, enfermeiros e enfermeiras, voluntários” e às autoridades que “devem tomar medidas duras, mas para o nosso bem. Nossa proximidade aos policiais, aos soldados, que nas ruas procuram manter sempre a ordem, que se realizem as coisas que o governo pede para o bem de todos nós. Proximidade a todos”.

Por fim, o Papa anunciou que na próxima sexta-feira, 27 de março, dará uma Bênção Urbi et orbi extraordinária com o Santíssimo Sacramento diante da praça de São Pedro vazia. As pessoas que acompanharem esta bênção através dos meios de comunicação poderão lucrar a indulgência plenária, de acordo com as normas indicadas no recente decreto da Penitenciaria Apostólica.

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Natalia Zimbrão.


Share on:WhatsApp


Sobre Prof. Felipe AquinoO Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.


Site: Cléofas
Editado por Henrique Guilhon

quarta-feira, 18 de março de 2020

Dom Aloísio Alberto Dilli, afirmou ser indispensável o esforço de todos na participação no cuidado da vida, contudo, garantiu que sem a oração que pede o auxílio de Deus, o Criador, as ações serão insuficientes




CNBB

O tempo da Quaresma é propício para um processo de conversão, de mudança de vida, sobretudo na relação com Deus, com os outros e o mundo criado. Não é a toa que a Campanha da Fraternidade 2020 faz um convite para renovar as relações, dando destaque à expressão “mútuo cuidado”. Para que se alcance tal objetivo, sobretudo em tempos de pandemia, o bispo de Santa Cruz do Sul, dom Aloísio Alberto Dilli, afirmou ser indispensável o esforço de todos na participação no cuidado da vida, como dom e compromisso. Contudo, garantiu que sem a oração que pede o auxílio de Deus, o Criador, as ações serão insuficientes.

Também o bispo de Marabá, no Pará, dom Vital Coberllini, afirmou estarmos passando por um período difícil na humanidade, mas pediu que todos tomem atitudes de solidariedade, de fraternidade entre os povos e as pessoas a partir das pessoas idosas e dos excluídos da sociedade. “Nós não podemos ficar indiferentes diante da outra pessoa que está sofrendo por causa do Coranavírus ou que está afetada por outra doença”, disse o bispo.

Com parte da população mundial agora em situação semelhante — quarentena, autoisolamento e outras medidas por medo do vírus —, pessoas estão buscando maneiras de seguir adiante. Na Itália, pessoas cantam juntas nas janelas; pelo mundo, jovens oferecem fazer compras para pessoas mais velhas que não podem fazê-lo, e pessoas sob quarentena batem palmas para médicos que estão cuidando da população infectada.

Em momentos como esse, o bispo referencial da Pastoral da Saúde, dom Roberto Francisco Ferrería Paz, afirmou ser importante mantermos gestos de ternura. “Gestos de solidariedade, de alegria, de sorriso, olhares positivos, compreensivos, elogios, apoios, encorajamento, profecias positivas no sentido de otimizar as pessoas mostrando as virtudes que elas têm, ser paciente, compreensivo, ajudá-las é importante neste momento”, disse o bispo.

De acordo com ele, nada é mais apreciável no momento do que mostrar sempre um semblante animado, sem julgar. “Acho que isso faz muita diferença nessa hora, porque o isolamento a gente combate com carinho, ternura, mostrando que a pessoa é especial para nós”, disse. Esses pequenos gestos, segundo dom Roberto, podem alcançar o coração e fazer a diferença. “O amor gera a ternura, mas ternura purifica, transforma o amor”, finalizou.

Foto de Capa: STR / AFP

Título Original: Em meio à pandemia, bispos afirmam ser importante manter gestos de solidariedade


Site: CNBB
Editado por Henrique Guilhon

domingo, 15 de março de 2020

Não posso viver uma falsa conversão






Monsenhor Jonas Abib

Deus quer a nossa conversão

As crianças, na praia, constroem seus castelos de areia e depois o derrubam, chutam tudo. O inimigo deste mundo faz igual às crianças. O demônio constrói todo um império com injustiças, maldades, ganâncias, doenças, drogas… Tudo a custo de sangue e guerras! E muitas pessoas foram atrás dele.

Agora, ele vai fazer igualzinho às crianças na praia, vai chutar todo esse império e todas as pessoas que estiverem envolvidas com ele.

As pessoas que usam de todos os meios para ter dinheiro e poder criam misérias, mortes, abortos e devastam povos. Essas pessoas estão sob o julgo do inimigo e ele vai destruí-las.

É hora de sairmos dos castelos que ajudamos a construir, porque nenhum de nós pode viver uma falsa conversão. Não podemos nos dizer “convertidos”, mas continuarmos levando uma vida de pecadores, injustos, egoístas, impuros, maliciosos, depravados e corruptos. Não dá para ficar na frente do Senhor de cara lavada, dizendo uma coisa e sendo outra, pois o joio e o trigo serão separados.

É hora de sermos inteiramente do Senhor.

Deus o abençoe!

Seu irmão,
Monsenhor Jonas Abib


Site: Padre Jonas Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon