A Igreja é a coluna (mestra) e sustentáculo (preservadora) da verdade – 1º Tim 3,15

~~~~~~~~

É importante falar de Deus, das coisas de Deus, sem tirar os pés do mundo, pois estamos nele, embora que não sejamos dele. O Viver em Deus, fala de Deus, dos fatos da Igreja, do meio cristão católico. O Viver em Deus não é fechado em si mesmo, portanto faz também a apresentação de obras de outros sites católicos, o que, aqui, mais se evidencia, no intuito da divulgação e conhecimento dos mesmos. UM BLOG A SERVIÇO DA IGREJA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. Sejam todos bem - vindos!

~~~~~~~~

Quando neste blog é falado, apresentado algo em defesa da Igreja, contra o protestantismo, é feito com um fundo de tristeza ao ver que existem "cristãos" que se levantam contra a única Igreja edificada pelo Senhor Jesus no mundo. Bom seria se isto não existisse, a grande divisão cristã. Mas os filhos da Igreja têm que defendê-la.

Saibam, irmãos(ãs), que o protestantismo, tendo que se sustentar, se manter, se justificar, terá que ser sempre contra a Igreja católica (do contrário não teria mais razão de sê-lo) ainda que seja pela farsa, forjar documentos, aumentar e destorcer fatos (os que são os mais difíceis para se comprovar o contrário pelos cientistas católicos, pois trata-se de algo real, mas modificado, alterado para proveito próprio.) E tentarão sempre atingir a Igreja na sua base: mentiras contra o primado de São Pedro, contra o Papa e sua autoridade, contra o Vaticano, contra a sua legitimidade, e outros tantos absurdos. São, graças a Deus, muitos sites católicos que derrubam (refutam) estas mentiras, provando o seu contrário, bastando portanto se fazer uma pesquisa séria, por exemplo, com o tema: cai a farsa protestante, refutando o protestantismo, etc. O Espírito Santo jamais abandona sua Igreja. Que saibamos, por este Espírito, amar aos protestantes que não participam destas ações malignas, e aos que se incumbem destas ações, os inimigos da Igreja, que saibamos, ainda que não consigamos amá-los o bastante, ao menos respeitá-los em sua situação crítica perante Jesus e desejar a eles a conversão e a Salvação de Nosso Senhor Jesus. "Se soubéssemos verdadeiramente o que é o inferno, não o desejaríamos ao pior inimigo".

~~~~~~~~

Notas Importantes

*O marcador “IDOLATRIA”, na seção TEMAS, abaixo, à esquerda, assim está exposto com a função de desmentir as acusações de idólatras aos católicos, outras vezes também denunciando que estes próprios acusadores cometem a idolatria ao dinheiro, entre outras.

*Os anúncios que aparecem neste blog podem porventura não serem compatíveis com a doutrina católica, por escaparem da filtragem do sistema. Aconselha-se a quem se incomodar com estes anúncios, atualizar a página do blog até que eles sejam modificados.

*Ao usar o telemóvel escolha a opção “visualizar versão para a web”, localizada abaixo da opção “página inicial” , para que sejam utilizados todos os recursos apresentados na página como vista no computador.

~~~~~~~~

Para uma melhor visualização, abra o zoom de sua tela em 90%, ou de acordo com o seu encaixe

Tradutor

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Pe. Marcelo sob ataque: empurrão, falsa acusação e até manifestação diabólica


Pe. Marcelo Rossi / Reprodução

Aleteia

A trajetória de conquistas do sacerdote brasileiro foi trilhada lado a lado com sofrimentos e batalhas ferozes.

Reconhecido e estimado como um dos sacerdotes brasileiros mais capazes de inspirar multidões mediante a celebração dos sacramentos, a música religiosa e os livros sobre espiritualidade, o pe. Marcelo Rossi tem uma trajetória de vida em que as conquistas e bênçãos andam lado a lado com ferozes batalhas e sofrimentos – tão ferozes que, diante deles, pode até parece “pouca coisa” a agressão que o sacerdote sofreu neste último domingo, quando uma mulher o empurrou de uma altura de mais de um metro durante a Celebração Eucarística de encerramento do Acampamento “Por Hoje Não” (PHN), na Canção Nova, em Cachoeira Paulista. O padre afirmou, a respeito, que “Maria passou na frente e esmagou a cabeça da serpente“.



Manifestação diabólica

Em 2017, enquanto consagrava os jovens a Nossa Senhora, exatamente no mesmo evento, durante a Missa de encerramento do PHN daquele ano, houve em plena assembleia uma manifestação diabólica, registrada em vídeo e cessada pelo pe. Marcelo com a sua autoridade sacerdotal. O vídeo foi compartilhado pelo canal Portal Carismático no YouTube:


Falsa acusação de plágio

Em 2012, Izaura Garcia de Carvalho Mendes acusou o pe. Marcelo de plágio em um trecho do livro Ágape, um best-seller que vendeu 10 milhões de exemplares. As investigações da polícia concluíram que Izaura tinha apresentado documentos falsos em sua queixa-crime contra o sacerdote e a editora. Ela foi presa.
O impacto chocante da depressão

O desafio enfrentado pelo pe. Marcelo que mais repercutiu na mídia, no entanto, foi a sua luta contra uma gravíssima depressão, durante a qual os danos físicos sofridos pelo sacerdote chegaram a causar espanto: o seu peso variou bruscamente entre os 128 e os 60 quilos.

A respeito daquela dura e longa provação, ele relatou a necessidade de ajuda médica e, ao mesmo tempo, de esforço pessoal e confiança ativa em Deus:

“O louvor liberta e eu comecei a fazer uma coisa que eu tinha esquecido. Foi através do louvor que comecei a sair da depressão. Não tomei nenhum antidepressivo. Tomei muitos outros remédios, anti-inflamatórios, que me fizeram inchar. Cheguei a pesar 128 quilos. Depois, fiz uma dieta maluca que era só hambúrguer e salada. Cheguei a pesar 60 e poucos quilos. O que eu recomendo é que as pessoas sempre busquem um profissional da saúde. Mas tem que ter cuidado para não ficar só dopado de remédios. A depressão é o mal do milênio”.

Com informações de Ancoradouro


Site: Aleteia
Editado por Henrique Guilhon

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Corpus Christi: “Deus se faz próximo!”. A hóstia consagrada não simboliza Jesus, é o próprio Jesus



Padre Gustavo Uchôa/ Foto: Arquivo Pessoal – Padre Gustavo


Notícias Canção Nova

Padre Gustavo Uchôa incentiva fiéis a refletirem sobre a solenidade de Corpus Christi vivida pela Igreja nesta quinta-feira, 20

Julia Beck,
Da redação

“A solenidade de Corpus Christi nos interpela a viver como homens e mulheres eucarísticos, isto é, em ação de graças a Deus, fazendo da vida uma doação”. A reflexão é do padre Gustavo Uchôa, pároco da Igreja Nossa Senhora Aparecida e Santo Expedito — localizada em Lorena (SP), e faz referência à solenidade Corpus Christi, também conhecida como celebração do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, que será vivida pela Igreja nesta quinta-feira, 20.

Historicamente, o sacerdote recorda que a data dedicada a Corpus Christi surgiu no século XIII quando foi promulgada pelo Papa Urbano IV. “Precedente à promulgação ocorriam festejos populares em honra ao Santíssimo Sacramento, atos devocionais que inspiraram a oficialização em forma de solenidade litúrgica. No coração do povo de Deus estava o amor pela Eucaristia que se expressava em atos devocionais, posteriormente adotados pela Igreja, uma vez que não havia contradição neste sensus fidei e, de fato, a Eucaristia deve ser celebrada como Mistério central de nossa fé”, completou.

A celebração reúne todos os anos milhares de fiéis no Brasil e no mundo e apresenta um significado singular para todos os crentes. Padre Gustavo citou São João Paulo II para explicar o valor da solenidade.

“Como disse São João Paulo II: ‘A Igreja vive da Eucaristia’. Logo, celebrar Corpus Christi é uma expressão do que há de mais sublime de nossa fé. Intimamente ligada ao Mistério Trinitário, uma vez que celebrada na quinta-feira seguinte ao Domingo da Santíssima Trindade, temos a percepção de que Deus se faz próximo, ‘o verbo divino se fez carne e habitou entre nós’ (Jo 1,14), a grandeza deste Mistério torna-se simples, humilde, o Senhor inteiramente entrega-se a nós”, observou o sacerdote.

A confecção de tapetes para honrar o Santíssimo Corpo e Sangue do Senhor é uma tradição que, de acordo com padre Gustavo, incentiva todos os católicos a pensarem no amor dedicado a Jesus. O sacerdote destacou também a procissão da Eucaristia pelas ruas, vilas e cidades, e recordou o ato de caminhar pelos povoados da Galileia, realizado por Jesus durante sua vida terrena.


Procissão de Corpus Christi / Foto: Wesley Almeida – Arquivo CN

“Por onde Jesus passava tocava corações com sua presença. Hoje queremos que o Senhor passe entre nós, queremos ser tocados por Ele, por isso preparamos tudo, queremos manifestar-Lhe nosso carinho, reverência, adoração. Por trás do gesto concreto da ornamentação das ruas está muito mais que tradição, está um ato de fé de gente que canta: ‘Também sou teu povo, Senhor, e estou nessa estrada, Tu és alimento na longa jornada!’”, afirmou padre Gustavo.

A procissão realizada pelos fiéis é também vista pelo padre como uma forma de os católicos testemunharam aquilo que acreditam e celebram. “Na Santíssima Eucaristia, está contido todo o tesouro espiritual da Igreja. O Senhor doando-se sem reservas ensinou-nos que ‘não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida’ (Mt 20,28). Na Eucaristia está o ensinamento do Senhor que nada guarda para si, nem sequer seu Corpo e Sangue, pois tudo oferece”, refletiu.

Para a solenidade deste ano, o sacerdote incentivou os católicos a caminharem pelas ruas e se questionarem: “Também passo pelas ruas, pelas pessoas, por encontros doando minha vida? Tenho reservado tudo para mim e nada para os outros?”.


Tradicional tapete de Corpus Christi/ Foto: Wesley Almeida – Arquivo CN

Ao longo de sua peregrinação terrena, o sacerdote recorda que Jesus Cristo se encontrava com pessoas que acreditavam e viviam de modo diferente do seu, pois não eram judeus, como o oficial romano (Lc 7,1-10), a mulher cananeia (Mt 15, 21-28), a samaritana (Jo 4, 1-29), dentre tantos outros encontros: “Todavia, não lhes impedia de se aproximarem, cada encontro era único. Toda a vida de Jesus, a sua forma de tratar os pobres, os seus gestos, a sua coerência, a sua generosidade simples e quotidiana e, finalmente, a sua total dedicação, tudo é precioso”, afirmou o religioso.

“Quando o Senhor Jesus presente na Eucaristia passa em nosso meio quantas possibilidades de encontros? Quantos ainda não O conhecem? Quantos se sentem perdidos?”, indagou padre Gustavo. O sacerdote prosseguiu: “Talvez, deste testemunho de fé surja o despertar para Aquele que é ‘o Caminho, a Verdade, e a Vida’ (Jo 10,10). Deixando nossos templos propagamos o que cremos. Além disso, como homens e mulheres que creem na Eucaristia passamos a anunciar Cristo, mais que isto, somos cristóforos, (Χριστόφορος), portadores de Cristo. Somos promotores de novos encontros com Ele”.

Leia também

Titulo Original: Padre sobre solenidade de Corpus Christi: “Deus se faz próximo!”


Site: Notícias Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon

segunda-feira, 17 de junho de 2019

O que é o mistério da Santíssima Trindade?




Prof. Felipe Aquino


Quem é Deus?

Antes de tudo é preciso explicar que a palavra “mistério” não quer dizer algo que seja impossível de existir ou de acontecer; mistério é apenas algo que a nossa inteligência não compreende. Se você, por exemplo, não é físico, a teoria da relatividade de Einstein é um mistério para você, mas não é para os físicos. Se você não é biólogo a complexidade da célula, dos cromossomos e dos gens pode ser um mistério, mas não é para aquele que estudou tudo isso.

Ora, Deus é um Mistério para todos nós, porque a Sua grandeza infinita não cabe na nossa inteligência limitada de criatura. Se entendesse Deus, este não seria o verdadeiro Deus. O Criador não pode ser plenamente entendido pela criatura; isto é lógico, é normal e é correto. Depois de tentar de muitos modos desvendar o Mistério da Santíssima Trindade, Santo Agostinho (+430) abdicou: “Deus não é para se compreendido, mas para ser adorado!”



A criatura adora o seu Criador, mesmo sem o compreender perfeitamente. O pecado dos demônios foi não querer adorar a Deus seu Criador; quiseram ser deuses.

O Mistério da Santíssima trindade é o mistério central da fé e da vida cristã. Só Deus pode-se dar a conhecer, revelando-se como Pai, Filho e Espírito Santo. Foi Jesus sobretudo quem revelou o Pai, Ele como Deus, e o Espírito Santo; isto não foi invenção da Igreja.

A verdade revelada da Santíssima Trindade está nas origens da fé viva da Igreja, principalmente através do Batismo. “A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos vós” (2Cor 13,13; cf. 1Cor 12,4-6; Ef 4,4-6) já pronunciavam os Apóstolos.

Deus é o Infinito de todas as potencialidades que possamos imaginar. Ele é Incriado; não foi feito por ninguém, não teve principio e não terá fim; isto é, é Eterno. A criatura não é eterna, pois um dia ela começou a existir; não era, e passou a ser, porque o Incriado a criou num ato de liberdade plena e de amor. O fato de você existir já é uma grande prova do amor de Deus por você; Ele quis que você existisse e o criou.

Deus é espírito (Jo 4, 24) não é feito de matéria criada, pois foi ele quem criou toda matéria que existe fora do nada; logo não poderia ter sido feito de matéria. Muitos têm dificuldade de entender a existência de um ser não carnal, espiritual, como os Anjos, Deus e a nossa alma; mas eles existem de fato. Ora, você não vê a onda eletromagnética que leva o sinal do rádio e da tv, mas você não duvida de que ela exista. Da mesma forma você não pode ver os anjos e a alma, mas eles existem.

Deus é Perfeitíssimo; Nele não há sombra de defeito ou de erro; Ele não pode se enganar e não pode enganar ninguém; não pode fazer o mal. Ninguém pode acusar Deus de fazer o mal; Ele só pode fazer o bem. Ele pode “permitir” que o mal nos atinja para a nossa correção (Hb 12, 4ss) e mudança de vida; mas Ele nunca pode criar o mal e nos mandar o mal. O mal vem da nossa imperfeição como criatura e do nosso pecado (Rm 6,23).

Deus é Onipotente (Gn 17,1; 28,3; 35,11; 43,14; Ex 6,3; Ap 1,8; 4,8; 11,17; 16,14; 21,22); pode tudo; nada lhe é impossível. “A Deus nada é impossível” (Lc 1, 37) disse o Arcanjo Gabriel a Maria na Anunciação. Não há alguma coisa que você possa imaginar que Deus não possa fazer simplesmente com o seu querer. Basta um pensamento Seu, uma Palavra, e tudo será feito porque Ele tem poder Infinito. Por isso só Deus pode criar, só Ele pode “tirar algo do nada”; só Ele pode chamar à existência um ser que não existia; a partir do nada. Para fazer um bolo a cozinheira precisa da matéria prima; Deus não precisa. A cozinheira “faz” o bolo, Deus “cria” a partir do nada.

Deus também é Onisciente; quer dizer sabe tudo; ninguém consegue esconder nada de Deus; Ele tudo vê. Deus é Onipresente (Sl 139,7; Sb 1,7; Eclo 16,17-18; Jr 23,24; Am 9,2-3; Ef 1,23); está em toda parte, porque é puro espírito. Diz o Salmista: “Senhor, Vós me perscrutais e me conheceis. Sabeis tudo de mim, quando me sento e me levanto… Para onde irei longe de teu Espírito? Para onde fugirei apartado de tua face? Se subir até os céus, Vós estais ali, se descer para o abismo eu Vos encontro lá” (Sl 138,1-7).

E Deus é muito mais; Deus é nosso Pai amoroso com ensinou Jesus. É Amor (1Jo 4,8.) É fonte de vida e santidade (Rm 6,23; Gl 6,8; Ef 1,4-5; 1Ts 4,3; 2Ts 2,13-17). É ilimitado (1Rs 8,27; Jr 23,24; At 7,48-49). É misericordioso (Ex 34,6; 2Cr 30,9; Sl 25,6; 51;1; Is 63,7; Lc 6,36; Rm 11,32; Ef 2,4; Tg 5,11). É o Criador de todas as coisas visíveis e invisíveis (Gn 1,1; Jó 26,13; Sl 33,6; 148,5; Pv 8,22-31; Eclo 24,8; 2Mc 7,28; Jo 1,3; Cl 1,16; Hb 11,3). É o Juiz do universo (1Sm 2,10; 1Cr 16,33; Ez 18,30; Mt 16,27; At 17,31; Rm 2,16; 2Tm 4,1; 1Pd 4,5).

Deus é uno (Dt 32,39; Is 43,10; 44,6-8; Os 13,4; Ml 2,10; 1Cor 8,6; Ef 4,6); não pode haver mais de um Deus simplesmente pelo fato de que se houvesse dois deuses, um deles seria inferior ao outro; e Deus não pode ser inferior a nada; Ele é absoluto.

A Trindade é Una. Não professamos três deuses, mas um só Deus em três pessoas: “a Trindade consubstancial”, ensinou o II Concílio de Constantinopla em 431 (DS 421). As pessoas divinas não dividem entre si a única divindade, mas cada uma delas é Deus por inteiro: “O Pai é aquilo que é o Filho, o Filho é aquilo que é o Pai, o Espírito Santo é aquilo que são o Pai e o Filho, isto é, um só Deus por natureza” (XI Concílio de Toledo, em 675, DS 530).

“Cada uma das três pessoas é esta realidade, isto é, a substância, a essência ou a natureza divina” (IV Conc. Latrão, em 1215, DS 804).

“Deus é único, mas não solitário” disse o Papa Dâmaso (Fides Damasi, DS 71). “Pai”, “Filho”, “Espírito Santo” não são simplesmente nomes que designam modalidades do ser divino, pois são realmente distintos entre si: “Aquele que é Pai não é o Filho, e aquele que é o Filho não é o Pai, nem o Espírito Santo é aquele que é o Pai ou o Filho” (XI Conc. Toledo, em 675, DS 530). São distintos entre si por suas relações de origem: “É o Pai que gera, o Filho que é gerado, o Espírito Santo que procede” (IV Conc. Latrão, e, 1215, DS 804). A Unidade divina é Trina.

“Por causa desta unidade, o Pai está todo inteiro no Filho, todo inteiro no Espírito Santo; o Filho está todo inteiro no Pai, todo inteiro no Espírito Santo; o Espírito Santo, todo inteiro no Pai, todo inteiro no Filho” (Conc. Florença, em 1442, DS 1331).


O Símbolo Quicunque de Santo Atanásio assim explicava: “A fé católica é esta: que veneremos o único Deus na Trindade, e a Trindade na unidade, não confundindo as pessoas, nem separando a substância: pois uma é a pessoa do Pai, outra, a do Filho, outra, a do Espírito Santo; mas uma só é a divindade do Pai, do Filho e do Espírito Santo, igual a glória, coeterna a majestade” (DS 75).

A Santíssima Trindade e inseparável naquilo que são, e da mesma forma o são naquilo que fazem. Mas na única operação divina cada uma delas manifesta o que lhe é próprio na Trindade, sobretudo nas missões divinas da Encarnação do Filho e do dom do Espírito Santo.

Pela graça do Batismo “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19) somos chamados a compartilhar da vida da Santíssima Trindade, aqui na terra, mesmo na obscuridade da fé, e para além da morte, na luz eterna. Esta é a nossa magnífica vocação.

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo!



Prof. Felipe Aquino




Sobre Prof. Felipe AquinoO Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.


Site: Cléofas 
Editado por Henrique Guilhon

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Novo documento do Vaticano bate forte na Ideologia de Gênero



O Catequista

A Congregação para a Educação Católica lançou hoje um documento chamado “Homem e Mulher os criou”, que traça uma abordagem para as questões de gênero nas instituições católicas de ensino. Também dá algumas diretrizes para a atuação de educadores católicos, mesmo fora de instituições confessionais.

Segundo o Cardeal Giuseppe Versaldi, prefeito da congregação, o documento procura diferenciar a ideologia de gênero que, segundo o Papa Francisco pretende “impor-se como um pensamento único que determine a educação infantil”, dos estudos de gênero, que aprofundam adequadamente as diferenças entre homens e mulheres nas diversas culturas. Essa diferença precisa ser estabelecida para que se possa abrir um justo diálogo com as áreas de estudo, deixando de lado a imposição ideológica.

Partindo disso, o cardeal afirma que “o documento traça a história, concentra-se em pontos de encontro razoáveis e propõe a visão antropológica cristã” como via para a educação.

O documento é dividido em 3 partes principais: ouvir, analisar e propor. Abaixo, um breve resumo de cada uma.

OUVIR

É uma seção de diagnóstico.

Um breve histórico demonstra como uma legítima preocupação pelo reconhecimento da igualdade de homens e mulheres em dignidade acabou sendo manipulada ideologicamente para construir uma identidade totalmente individualista e desvinculada da verdadeira humanidade.

“Esta ideologia induz a projetos educativos e a orientações legislativas que promovem uma identidade pessoal e uma intimidade afetiva radicalmente desvinculada da diferença biológica entre masculino e feminino. A identidade humana é entregue a uma opção individualista, mutável com o tempo, expressão do modo de pensar e agir, hoje difundido, que confunde « a liberdade genuína com a ideia de que cada um julga como lhe parece, como se, para além dos indivíduos, não houvesse verdades, valores, princípios que nos guiam, como se tudo fosse igual e tudo se devesse permitir »”. (22)

ANALISAR

Essa seção considera, à luz da razão, os motivos pelos quais a “ideologia de gênero” deve ser entendida como um erro que vem tentando se impor como resposta (evidentemente errada) à uma demanda justa da sociedade por igual dignidade entre sexos e respeito aos indivíduos.

Aqui o documento fala da impossibilidade de um terceiro “gênero” do ponto de vista médico/biológico, aponta a importância da alteridade sexual para construção de identidade do indivíduo e lembra que a complementariedade fisiológica entre homens e mulheres é a única condição que torna viável a procriação.

O texto é claro ao enfatizar que, embora se possa lançar mão de recursos técnicos para permitir a geração de filhos entre pessoas do mesmo sexo, tal conduta não condiz com a dignidade que se deve dar à reprodução humana.

“(...) o uso das tecnologias não equivale à concepção natural, na medida que comporta manipulação de embriões humanos, fragmentação da parentalidade, instrumentalização e/ou mercantilização do corpo humano, sem esquecer a redução da criança a um objeto de uma tecnologia científica”. (24)

PROPOR

Feita a identificação dos problemas relacionados à “ideologia de gênero”, o documento propõe que a educação católica retome a Antropologia Cristã como base para a estruturação do percurso educativo.

“(...) sem uma clarificação convincente da antropologia sobre a qual se funda o significado da sexualidade e da afetividade não é possível estruturar de modo correto um percurso educativo coerente com a natureza do homem como pessoa, com o fim de orientá-lo para a plenitude da sua identidade sexual no contexto da vocação ao dom de si. E o primeiro passo desta clarificação antropológica consiste no reconhecimento que « também o homem possui uma natureza, que deve respeitar e não pode manipular como lhe apetece ». (...)” (30)

O documento coloca a família como “o lugar natural no qual a comunhão entre homens e mulheres encontra plena atuação” (36) e, portanto, deve ser o grande ponto de referência para a educação.

É pedido que as escolas católicas, atuando com as famílias, tornem-se verdadeiras comunidades educativas. Aos educadores católicos, o documento pede que mesmo atuando em escolas não católicas, devem dar “testemunho da verdade sobre a pessoa humana e estar a serviço da sua promoção” (40).

O documento finaliza reconhecendo a existência de um grande desafio: o de acolher respeitosamente as diferentes inclinações existentes hoje em dia, abrindo um diálogo franco e sincero, mas propondo a única via que de fato responde às verdadeiras exigências humanas.

A proposta cristã supera qualquer tentativa ideológica de responder ao homem. Aos educadores católicos, pede-se caridade e testemunho.

“Para além de qualquer reducionismo ideológico ou relativismo homologante, as educadoras e os educadores católicos – na correspondência à identidade recebida da inspiração evangélica – são chamados a transformar positivamente os desafios atuais em oportunidades, percorrendo os caminhos do acolhimento, da razão e da proposta cristã, e também testemunhando com as modalidades da própria presença a coerência entre as palavras e a vida.” (54)

O documento é lúcido e riquíssimo! Se você trabalha com educação ou se interessa pelo tema, leia o texto completo em português clicando aqui.


Site: O Catequista
Editado por Henrique Guilhon